PUBLICIDADE

Médicos fazem primeiro implante de mandíbula totalmente impresso em 3D

O paciente que recebeu a mandíbula de titânio foi diagnosticado com câncer de cabeça e pescoço. O novo material é leve, mas ainda resistente e inquebrável

5 ago 2022 - 21h51
(atualizado em 7/8/2022 às 09h36)
Ver comentários
Publicidade

Nesta semana, aconteceu o primeiro implante bem-sucedido de mandíbula totalmente impresso em 3D. A peça foi desenvolvida pela empresa holandesa Mobius 3D Technology (M3DT), e os pesquisadores responsáveis estão vinculados ao Netherlands Cancer Institute.

A peça de titânio foi completamente reconstruída com base nos exames de ressonância magnética e tomografia computadorizada 3D do paciente, que havia sido diagnosticado com câncer de cabeça e pescoço.

Os tumores dentro e ao redor da mandíbula são frequentemente tratados removendo parte do osso. A mandíbula é reconstruída, se possível, com osso de outras partes do corpo, como costelas. No entanto, os pesquisadores por trás desse novo implanta apontam que esse método tradicional de reconstrução é cheio de desvantagens.

Ao utilizar apenas placas metálicas, as peças podem romper e os parafusos com os quais a placa é fixada podem se soltar, o que gera graves consequências para o paciente. A nova mandíbula impressa em 3D se encaixou perfeitamente, já que tem a forma e o peso da mandíbula original, e é muito mais forte do que as placas usadas atualmente.

Foto: Tom Claes/Unsplash / Canaltech

Os criadores explicam que o implante é muito mais forte, em parte porque as forças são distribuídas de maneira ideal com uma técnica de fixação aprimorada. A tecnologia também conta com uma chamada estrutura interior que mantém sua resistência, ao mesmo tempo em que se mostra leve para o paciente.

Como o implante é feito sob medida, a mandíbula mantém seu ajuste e a pressão sobre a mucosa é distribuída de maneira mais uniforme. "Esperamos que isso diminua as complicações e melhore o resultado funcional e estético. Mesmo as ferramentas que o cirurgião usa na operação são específicas do paciente. A operação também é mais simples e mais curta", afirmam os pesquisadores responsáveis.

Fonte: Mobius 3D Technologies via Science Blog

Trending no Canaltech:

Canaltech
Publicidade
Publicidade