PUBLICIDADE

Espécie de morcego é reencontrada no Brasil após mais de 100 anos

Um novo estudo da Universidade Federal do Paraná traz à tona o morcego de uma espécie chamada Histiotus alienus, documentada pela última vez apenas em 1916

18 dez 2023 - 17h36
(atualizado às 20h30)
Compartilhar
Exibir comentários

Cientistas brasileiros reencontraram uma espécie rara de morcego chamada Histiotus alienus, que estava há mais de 100 anos fora do mapa. A descoberta da equipe da Universidade Federal do Paraná (UFPR) foi publicada na revista científica ZooKeys.

Foto: Tiepolo et al, 2023/Zookeys / Canaltech

Nesse caso mais recente, a captura ocorreu em 2018, pelo projeto "Mamíferos do Refúgio de Vida Silvestre dos Campos de Palmas e do Parque Nacional dos Campos Gerais". O grupo então conduziu uma comparação que levou à comprovação da espécie.

Em comunicado, a equipe reconhece que pode ser uma espécie que sofreu muito o impacto da devastação da Mata Atlântica, tanto no passado quanto no presente, mas também pode se tratar de uma espécie que só é difícil de ser coletada com técnicas tradicionais.

O grupo também conclui que a espécie, em nível regional, passa a ser considerada como criticamente ameaçada de extinção no Paraná. Para chegar a essa conclusão, os autores do estudo levaram em consideração o alto grau de fragmentação dos ambientes naturais onde o morcego vive, como os campos nativos e as florestas de araucárias.

O argumento da equipe é que, atualmente, as unidades de conservação que protegem estes ambientes são relativamente pequenas e descontínuas. Na prática, o espaço para o desenvolvimento da espécie acaba restrito.

Morcego Histiotus alienus

O morcego havia sido documentado pela primeira e única vez (até então) em 1916, depois de ser capturado em Joinville, no Norte de Santa Catarina. Assim, teve seu corpo catalogado entre as espécies da biodiversidade da América do Sul no Museu de História Natural de Londres.

Neste estudo atual, os pesquisadores aproveitaram para publicar registros do esqueleto do animal, realizados em sua aparição anterior:

Crânio do morcego da espécie Histiotus alienus (Imagem: Tiepolo et al, 2023/Zookeys)
Crânio do morcego da espécie Histiotus alienus (Imagem: Tiepolo et al, 2023/Zookeys)
Foto: Canaltech

Com o novo estudo, a expectativa é tirar a espécie da lista de "dados insuficientes" da International Union for Conservation of Nature and Natural Resources (IUCN), que mantém um banco de dados sobre espécies ameaçadas de extinção.

Os pesquisadores também mostram outra expectativa: o fato de ter sido encontrada a 400 quilômetros de onde foi coletada pela primeira vez pode significar uma área maior de habitação ampliando sua distribuição geográfica.

Conforme descrevem os pesquisadores, as orelhas em formato de vela são a principal característica do gênero Histiotus. Outra é o corpo coberto por pelos amarronzados. Esses morcegos se alimenta de insetos e habita a América do Sul. Quanto mais dados forem reunidos acerca do animal, melhor, já que atualmente o Brasil coleta amostras de morcegos para impedir futura pandemia.

Fonte: Ciência UFPR, ZooKeys

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade