PUBLICIDADE

Dieta da Saúde Planetária nutre os humanos e ajuda a salvar o planeta

Reduzindo o consumo de carne vermelha e aumentando a ingestão de verduras, a Dieta da Saúde Planetária faz bem para os humanos e para o planeta, segundo Harvard

18 jun 2024 - 00h09
(atualizado às 04h51)
Compartilhar
Exibir comentários

A forma como as pessoas se alimentam pode impactar o planeta, já que o consumo excessivo de carne vermelha está conectado ao desmatamento e à emissão de poluentes. Pensando nisso, cientistas de diferentes partes do globo desenvolveram a Dieta da Saúde Planetária (PHD), uma forma de alimentação saudável e sustentável, com benefícios cientificamente comprovados. Inclusive, diminui o risco de morte precoce.

Foto: Freepik / Canaltech

A Dieta da Saúde Planetária foi desenvolvida em 2019, com a proposta de reduzir o consumo de carne vermelha e laticínios, enquanto estimula o consumo de vegetais. Nada é proibitivo, apenas as proporções são revisadas.

Agora, pesquisadores da Universidade Harvard, nos EUA, demonstraram que essa dieta planetária pode fazer tão bem para os humanos quanto para o meio ambiente, após analisar dados sobre a alimentação de aproximadamente 200 mil pessoas. O estudo foi publicado na revista The American Journal of Clinical Nutrition.

O que é Dieta da Saúde Planetária?

Antes de seguir, vale definir o que é a Dieta da Saúde Planetária. É uma forma de alimentação em que as porcentagens de consumo de carne vermelha, laticínios e de açúcar são reduzidas. Enquanto isso, a ingestão de frutas e legumes são estimuladas.

A seguir, confira alguns parâmetros da dieta planetária:

  • Consumo livre de vegetais;
  • Ingestão de frutas;
  • Inclusão de grãos integrais;
  • Consumo de leguminosas, como feijão;
  • Adição de nozes e outras sementes;
  • Comer peixes;
  • Redução no consumo de carne vermelha e de laticínios;
  • Comer menos açúcar;
  • Reduzir a ingestão de grãos refinados.

Benefícios da dieta desenvolvida por cientistas 

No recente estudo, os pesquisadores de Harvard analisaram dados de dezenas de milhares de pessoas que não necessariamente seguiam a Dieta da Saúde Planetária. Cada participante recebeu uma pontuação com base em 15 critérios alimentares dessa dieta — quanto maior a pontuação, mais próximos dessa forma de alimentação sustentável estavam.

Através da Dieta da Saúde Planetária, cientistas mostram que comer bem pode salvar o planeta (Imagem: Louis Hansel/Unsplash)
Através da Dieta da Saúde Planetária, cientistas mostram que comer bem pode salvar o planeta (Imagem: Louis Hansel/Unsplash)
Foto: Canaltech

Segundo os autores, o risco de morte precoce é 30% menor nos 10% dos participantes que mais aderiram à dieta, em comparação com os 10% que menos aderiram a essa forma de alimentação.

Todas as principais causas de morte, como câncer, doenças cardíacas e doenças pulmonares, foram menos comuns entre aqueles que se alimentavam bem e de forma sustentável.

Outra vantagem importante é que seguir essa dieta implica em menores danos ambientais. As pessoas que mais seguiam a dieta planetária emitem 29% menos gases do efeito estufa, através da alimentação, que os menos adaptados a esses parâmetros. Eles também demandam menos 51% de terras agrícolas e 21% menos fertilizantes. 

Efeito da comida no planeta

"As mudanças climáticas colocam o nosso planeta no caminho para um desastre ecológico, e o nosso sistema alimentar desempenha um papel importante [nesse problema]", explica Walter Willett, professor de epidemiologia e nutrição em Harvard e autor do estudo, em nota.

"Mudar a forma como comemos pode ajudar a retardar o processo de mudança climática. E o que é mais saudável para o planeta também é mais saudável para os humanos", completa Willett, com base nas novas evidências científicas.

Fonte: The American Journal of Clinical Nutrition e Universidade Harvard  

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade