PUBLICIDADE

Amazon.com encara desafios recordes em reunião de acionistas

25 mai 2022 - 10h21
Ver comentários
Publicidade

A Amazon.com enfrenta 14 resoluções de investidores que desafiam suas políticas em sua reunião anual de acionistas nesta quarta-feira, um recorde para a gigante do varejo e da computação em nuvem, à medida que investidores socialmente preocupados examinam o tratamento da empresa aos trabalhadores.

Aproximadamente dez das resoluções de acionistas que os investidores da Amazon votarão dizem respeito aos direitos dos trabalhadores e outras questões "sociais", como pedidos para que a empresa informe sobre a saúde e segurança dos trabalhadores ou o tratamento de seus funcionários de armazém. Os outros pedem coisas como uma revisão do uso de plástico pela Amazon ou mudanças no processo da empresa para indicações ao conselho.

A Amazon recomendou que seus investidores votem contra todas as 14 determinações, dizendo em sua declaração de procuração que muitas vezes já agiu para resolver as preocupações subjacentes de uma proposta. Embora as resoluções não sejam vinculativas, as empresas geralmente tomam alguma forma de ação se receberem apoio de 30% a 40% dos votos expressos.

O consultor Institutional Shareholder Services recomendou que os investidores votem em oito das propostas, enquanto a Glass Lewis apoiou sete delas.

A Royal London Asset Management, a maior empresa de investimentos, pensões e de seguro de vida do Reino Unido, planeja votar a favor de pelo menos seis das resoluções dos acionistas na reunião da Amazon, disse à Reuters seu chefe de investimento responsável, Ashley Hamilton Claxton.

A maior gestora de ativos do Reino Unido, a Legal & General Investment Management, e a gestora de ativos britânica Schroders também declararam antes da reunião de acionistas da Amazon que apoiarão pelo menos algumas das resoluções dos investidores.

A Amazon é uma holding popular entre os fundos focados em ESG. Cerca de 32% dos fundos classificados como promoção do meio ambiente ou justiça social sob as regras da União Europeia são investidos na Amazon, de acordo com a Jefferies. Apenas a Microsoft constitui uma participação mais popular, encontrada em 39% desses fundos.

Brandon Rees, vice-diretor da AFL-CIO, a maior organização trabalhista dos Estados Unidos, disse esperar que os fundos de ESG que detêm a Amazon apoiem com mais frequência resoluções focadas no trabalho.

"É minha convicção que os direitos trabalhistas e os trabalhadores foram enterrados no 'S' de ESG", disse Rees.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade