Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Schuyler Bailar: o primeiro nadador transgênero da liga norte-americana

No Mês da Visibilidade Trans, conheça a trajetória do atleta que fez história nas piscinas da NCAA

21 jan 2022 16h59
Compartilhar
Schuyler Bailar
Schuyler Bailar
Foto: Reprodução Instagram @pinkmantaray / Sport Life

A história do nadador de 26 anos, Schuyler Bailar, pode servir de inspiração para inúmeras pessoas. Ainda mais em janeiro, que é considerado o Mês da Visibilidade Trans.

Nascido em 1996, o norte-americano, natural de Nova Iorque, sempre apresentou um grande talento para esportes aquáticos. Foi com apenas 1 ano de idade que ele descobriu as piscinas e, desde então, nunca mais as largou.

Publicidade

Dessa maneira, Schuyler sempre se destacou por todas as instituições de ensino por onde passou e nadou. Chegou, inclusive, a quebrar um recorde americano na prova dos 4×100 medley feminino. Mas, ele sabia que nem tudo estava perfeito.

Durante o documentário Identify, que conta a história de atletas transgêneros e está disponível no site Olympics, Schuyler afirmou que começou a lidar melhor com sua identidade de gênero na Universidade, em Harvard, após ser recrutado para a equipe feminina de natação.

Ele conta que foi nessa época que iniciou um processo de readequação de sexo e demorou, aproximadamente, um ano para contar a todos seus amigos sobre o momento que estava vivendo. Além de pedir para que, a partir de então, eles utilizassem pronomes masculinos para o chamar.

O processo de readequação foi um sucesso e, enfim, Schuyler conseguiu integrar o time de natação de Harvard. Mas, dessa vez, na divisão masculina. "Isso só confirmou a ideia de que eu sempre fui assim, eu não estava me modificando. Estava apenas apresentando a parte mais verdadeira de mim mesmo", explicou no documentário.

Publicidade

Com isso, Schuyler se tornou o primeiro nadador abertamente transgênero da história da NCAA - liga universitária americana. Hoje, ele segue com o seu amor pela natação e, além disso, se tornou uma verdadeira referência ativa pela busca da visibilidade trans e pelo fim do preconceito.

Fontes: Olympics e GE.

Fique por dentro das principais notícias de Bem-estar
Ativar notificações