As frases mais marcantes de Glória Perez em "Pacto Brutal"

Autora falou de peito aberto sobre luto, dores e justiça

Foto: RD1

Unanimidade

Muitos dos comentários nas redes sociais sobre o documentário "Pacto Brutal" são sobre as impactantes falas de Glória Perez. A seguir algumas delas.

Foto: Reprodução Twitter

Sem avisos

“O que mais me impressiona é que aquele dia começou de forma comum. Por que esses dias que mudam sua vida, que jogam a sua vida num precipício e te põem de cabeça para baixo não têm um sinal?"

Foto: Reprodução

Sobre o assassinato

“A verdade é uma só. As versões são muitas”, afirmou sobre o fato de que, independentemente de debates e investigações, perdeu a filha.

Foto: Flipar

Sobre a reação de Pádua por rumores de ser gay

"Como assim? Ser assassino tudo bem. Ele está perfeitamente cômodo neste papel. O que é insuportável, inadmissível é ser chamado de homossexual. É impressionante, é assustador."

Foto: Flipar

Impacto

"Quando se mata uma pessoa, é muito mais além daquela pessoa; você mata tudo o que aquela pessoa poderia ter feito em vida e que não fez e a diferença que poderia ter feito em outras pessoas."

Foto: Mais Goiás

Ninando

Em um momento emocionante, Glória relata que, segurando a urna com os restos mortais da filha, a ninou. "Enquanto eles cuidavam dos papéis, eu me peguei assim, embalando a urna, porque era ela. Mesmo naquela forma, era ela".

Foto: Popline

Sobre luto

"A minha mão tocou nela e eu recuei horrorizada. É quando você sente o que aconteceu, sente o frio da pessoa. E nessa hora eu senti vontade de recolher, de colocar ela no ventre de novo, sabe? Colocá-la no ninho outra vez."

Foto: Popline

Ainda sobre o luto

Sobre o tema, falou ainda: "A dor grande demais anestesia" e "Não tem como virar a página para a existência de um filho. Porque aí você se dá conta de que você Depois que um filho nasce você não consegue mais lembrar da sua vida sem a presença dele."

Foto: Flipar

Terra NÓS

Conteúdo de diversidade feito por gente diversa.

Foto: SpinOff