Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Equipes F1 2021 – Alpine: o futuro que nunca chega

Os franceses mudaram de nome esta temporada, voltaram às vitórias... mas ainda se acredita em um futuro que teima em não chegar

17 jan 2022 19h19
Compartilhar
Alpine e Ocon: de volta às vitórias. Mas 2021 ainda deixou a desejar
Alpine e Ocon: de volta às vitórias. Mas 2021 ainda deixou a desejar
Foto: Alpine F1

Carro: Alpine S521

Motor: Renault E-Tech 21

Diretor Técnico: Pat Fry

Chefe de Equipe: Marcyn Budkowski

Pilotos: Fernando Alonso (ESP) / Esteban Ocon (FRA)

Posição nos Construtores : 5º lugar (155 pontos)

Ano novo, tudo novo. Este foi o espírito da Renault, ou melhor dizendo, Alpine. Após muitas duvidas sobre a continuidade da operação por conta das reestruturações do grupo, o time meio francês meio inglês vinha renovado.

Publicidade

O que chamava mais a atenção era a adoção da marca Alpine para todas as atividades esportivas da Renault. Querendo aproveitar a história que a pequena epopeia fundada por Jean Redelé que passa por vitórias em Rallies e Le Mans, decidiu-se que o time francês agora deixaria de lado o preto e amarelo e adotar de novo as cores nacionais francesas.

Não eram só as cores. Cyril Abiteboul deixava o comando do time e dava lugar a Marcyn Budkowski. Davide Brivio, egresso da Suzuki na MotoGP, vinha para dividir as funções de comando. Esteban Ocon permancia para mais um ano e teria ao seu lado o espanhol Fernando Alonso, de volta à F1 depois de sair em 2018.

Pelo aspecto técnico, os técnicos comandados por Pat Fry optaram por não usar todos os tokens disponíveis no S521. Além das mexidas que o regulamento exigia, poucas mudanças foram feitas no aerofólio dianteiro e nos bargeboards. Chamou a atenção a adoção de um capô extremamente bojudo em relação aos demais carros. Mesmo optando por usar a mesma unidade de potência de 2020, a Renault fez algumas modificações na parte de refrigeração e entrada de ar.

O objetivo do time era brigar efetivamente pelo posto de “melhor do resto”. Mas problemas com a correlação de dados entre pista e túnel de vento acabaram prejudicando o desempenho inicial. Ocon e Alonso tiveram problemas de velocidade e a inconstância do comportamento dos carros deixou os pilotos perdidos inicialmente. Alterações trazidas em Portugal, França e Inglaterra resolveram um pouco as coisas, mas não foram o bastante. A briga da Alpine acabou sendo com a Alpha Tauri pelo 5º lugar.

Publicidade

Esteban Ocon acabou sendo o líder do time no início do ano. Alonso disse que estranhou o reinicio e que cresceria na segunda metade do ano, especialmente quando teve a direção do seu carro alterada. O francês não se acomodou com a presença do espanhol e fez um bom ano. Soube aproveitar as oportunidades na Hungria e obteve a sua primeira vitória na F1. Teve uma queda de desempenho após a confirmação de sua renovação de contrato, mas terminou andando próximo de Alonso.

O espanhol foi um show a parte. Demorou a engrenar, mas mostrou brios na segunda parte do campeonato. E para a surpresa de muitos, se mostrou um homem de grupo. Sua alegria na Hungria ao cumprimentar Ocon parecia genuína e quando subiu ao pódio e no Qatar, a equipe vibrou bastante. Seu objetivo foi cumprido e espera que o seu “El Plan” seja efetivo e volte às vitórias em 2022. Títulos? Estamos falando de Alonso...

A Alpine foi mais uma que jogou suas fichas para 2022, trazendo um motor inteiramente revisto e pensando sim em mais vitórias. Novas mudanças acontecerão no comando e espera-se que finalmente coloque em condições de reprisar os campeonatos de 2005 e 2006.

Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações