Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Chefe da Mercedes F1: “Algumas equipes terão ano doloroso”

Diretor Técnico da Mercedes prevê que alguns times terão dificuldades na interpretação do novo regulamento

24 jan 2022 22h59
Compartilhar
Projeção de carro de 2022 com a pintura da Mercedes de 2021
Projeção de carro de 2022 com a pintura da Mercedes de 2021
Foto: Mercedes-AMG F1 / Twitter

O assunto mais recorrente no universo da Fórmula 1 quando se fala na temporada de 2022 é a mudança do regulamento técnico da categoria. Pudera: trata-se da mudança mais profunda desde 2009, pelo menos. O novo regimento técnico prevê uma mudança drástica na geração de downforce dos carros com o intuito de facilitar a aproximação e as disputas em pista, o que muda completamente a concepção dos chassis. Além disso, os novos pneus, com rodas maiores, forçarão alterações também na parte de suspensão e freios. 

O resumo da ópera é que as equipes estão trabalhando do zero para construir um carro completamente diferente daqueles feitos até o passado. Isso dá margem para zebras como a então novata Brawn GP, que assombrou a F1 em 2009 ao se aproveitar de uma brecha do regulamento e ser mais rápida que todos os concorrentes. O inverso também é verdadeiro, com a possibilidade de uma equipe potencialmente forte errar a mão e fazer um carro inferior aos rivais. Há quem aposte nisso, inclusive. 

Publicidade

James Alisson, o Diretor Técnico da Mercedes-AMG e o homem responsável pelos carros campeões da Fórmula 1 desde 2017, é um que acha que algumas equipes vão sofrer para se adaptar ao novo regulamento: “Eu imagino, dado que os carros serão tão novos e diferentes, que um ou dois carros do grid vão acabar sendo bem ruins e terão um ano terrivelmente doloroso”, afirmou, em vídeo institucional da Mercedes sobre a nova temporada. 

Alisson falou como esse momento é propício para novas ideias surgirem, e que os outros terão que correr atrás de quem inovar mais (e melhor): “Imagino que todos nós, em certa medida, deixamos algumas coisas passarem porque nós simplesmente não prevíamos. E vamos olhar para os outros carros e falar ‘nossa, por que não pensamos nisso?’” 

O engenheiro, com passagens por Benneton, Ferrari, Renault e Lotus, falou mais sobre as oportunidades e riscos que os novos parâmetros podem trazer: “Quando tudo é tão novo assim, em qualquer lugar que você olhe do livro do regulamento, que tem o dobro da grossura do anterior, existe uma oportunidade. Existe oportunidade, mas também, claro, existe perigo.” 

Comparando a nova fase da F1 a uma nova fase de um videogame, Alisson explicou o processo de desenvolver um carro do zero nesse novo cenário: “Nós tentamos buscar nosso caminho nesse potencial campo minado e coletar todas as caixinhas de tesouro que podem estar instaladas perto das minas, e terminar com um carro que, esperamos, nos deixe na parte frente do grid”. 

Publicidade

Se a vida de um engenheiro de Fórmula 1 já é bastante atribulada normalmente, isso vai tomar uma nova dimensão em uma temporada ainda mais aberta a inovações e criatividade que o comum. Alisson, experiente, sabe bem disso: “Vai ser uma correria e definitivamente algo que vai nos impedir de ter um bom sono por toda a temporada”. 

No entanto, nem a falta de sono, nem o risco de perder a hegemonia entre os construtores, preocupam o homem por trás do sucesso da Mercedes na Fórmula 1: “Quando o regulamento muda de forma tão profunda quanto agora, nós abordamos isso com a diversão e o prazer que o desafio merece”, concluiu. 

Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações