Ucrânia não terá energia suficiente para inverno sem mais defesas aéreas, diz ministro

13 jun 2024 - 09h33

A Ucrânia precisa de mais defesas aéreas em semanas para permitir reparos em metade de sua infraestrutura de energia destruída por ataques russos, ou não conseguirá atender à demanda no inverno, disse o ministro da Energia do país à Reuters.

German Galushchenko afirmou que a Rússia está intensificando seus ataques aos sistemas de energia, dificultando os reparos e sufocando o abastecimento.

Publicidade

Os ataques de mísseis e drones russos ao setor de energia ucraniano têm se intensificado desde março, cortando metade de sua capacidade de geração, resultando em apagões contínuos, inclusive na capital Kiev.

"Temos cinco meses antes do inverno. Se não formos capazes de nos proteger agora... não poderemos fazer reparos. Apenas 50% não é suficiente para atravessar o inverno", disse Galushchenko.

"Eles ainda têm tempo para nos atacar várias vezes antes do inverno", acrescentou. "Mesmo que consertemos algo ou reiniciemos algumas unidades sem defesa aérea, isso não ajuda muito, pois elas serão destruídas novamente."

O inverno é o período em que a demanda de energia na Ucrânia é mais alta, pois as temperaturas caem muito abaixo de zero.

Publicidade

A Ucrânia tem feito um lobby especial para obter os sistemas norte-americanos de defesa aérea Patriot, que se mostraram vitais para as chances de Kiev abater os mísseis da Rússia.

Galushchenko disse que a Ucrânia precisa de sete a nove desses sistemas e que eles serão necessários dentro de semanas.

"Estamos vivendo com restrições agora, mesmo no verão, porque não podemos cobrir essa geração destruída", declarou ele. "Não podemos cobrir isso com importações."

Galushchenko disse que a Rússia também atacou locais de energia renovável, incluindo uma estação solar.

Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações