Tire a ideia do papel e crie hoje o site para o seu negócio com até 35% de desconto

Coreias do Norte e do Sul testam mísseis balísticos

Exercícios ocorreram com poucas horas de diferença no Extremo Oriente

15 set 2021 08h47
| atualizado às 09h12
Compartilhar
Teste de míssil balístico submarino pela Coreia do Sul
Foto: EPA / Ansa - Brasil

A Coreia do Norte realizou nesta quarta-feira, 15, um novo teste de mísseis balísticos, levantando temores quanto a uma possível escalada da tensão no Extremo Oriente.

Segundo o Estado Maior das Forças Armadas da Coreia do Sul, Pyongyang disparou dois projéteis em direção ao Mar do Japão, mas ainda não há detalhes sobre os vetores utilizados.

Publicidade

Esse já é o segundo teste de mísseis balísticos da Coreia do Norte em 2021 e representa uma violação das resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o tema.

A Guarda Costeira do Japão confirmou que dois mísseis balísticos caíram na região, mas ainda fora de sua zona econômica exclusiva. "As ações de Pyongyang constituem uma ameaça à paz e à segurança de nossa nação e de toda a região", criticou o premiê japonês, Yoshihide Suga.

O regime de Kim Jong-un vem intensificando suas atividades militares nas últimas semanas e testou recentemente mísseis de cruzeiro de longo alcance. Essas operações seriam uma resposta aos exercícios militares conjuntos entre Coreia do Sul e Estados Unidos.

Pouco depois dos novos disparos de Pyongyang, Seul testou de forma bem-sucedida um míssil balístico de lançamento submarino, tornando-se o oitavo país do mundo a possuir essa tecnologia, após Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França, Índia, China e a própria Coreia do Norte.

Publicidade

Segundo o governo sul-coreano, esse tipo de armamento "pode desenvolver um papel importante na defesa nacional e na instauração da paz na península no futuro".

Essa escalada militar chega em meio ao prolongado impasse nas negociações com os Estados Unidos para a desnuclearização das Coreias.

As conversas estão travadas desde fevereiro de 2019, quando o então presidente Donald Trump abandonou de forma abrupta uma cúpula bilateral com Kim em Hanói, no Vietnã.

O líder norte-coreano exige o fim das sanções internacionais para desmantelar seu principal complexo nuclear, mas os Estados Unidos querem que Pyongyang abra mão de todo o seu arsenal atômico.

Publicidade
  
Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações