Tire a ideia do papel e crie hoje o site para o seu negócio com até 35% de desconto

Itamaraty escondeu datas e horários de e-mails sobre cloroquina

Mensagens foram respondidas por integrantes do governo em 15 minutos, à noite e em fins de semana

15 jun 2021 12h12
| atualizado às 18h21
Compartilhar

BRASÍLIA - O Ministério das Relações Exteriores escondeu datas, horários e informações de e-mails e telegramas que mostram as negociações do governo brasileiro na negociação por cloroquina. As mensagens foram solicitadas via Lei de Acesso à Informação pela agência Fiquem Sabendo, mas tiveram os dados omitidos. Negar fornecer informações públicas fere a legislação.

Os e-mails originais, com a íntegra das informações, mostram a agilidade do governo Jair Bolsonaro para comprar cloroquina contra a covid-19, como revelou o Estadão nesta terça-feira, 15. Mensagens foram respondidas por integrantes do governo em 15 minutos, à noite e em fins de semana. O esforço pela cloroquina se contrapõe à postura do Executivo em relação às vacinas. No caso da Pfizer, o governo demorou mais de dois meses para responder aos contatos da empresa.

Publicidade

Os documentos estão em posse da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, no Senado, que apura falhas e omissões da administração federal no combate à pandemia.

A Fiquem Sabendo havia solicitado a íntegra da troca de comunicação entre as embaixadas brasileiras, o governo indiano e as empresas interessadas na importação de cloroquina. Segundo a agência, os documentos originais não continham datas e horários das conversas e havia cortes nos e-mails.

A Lei de Acesso à Informação prevê punição a quem oculta informação. De acordo com o artigo 32 da legislação, "constituem condutas ilícitas que ensejam responsabilidade do agente público ou militar: I - recusar-se a fornecer informação requerida nos termos desta Lei, retardar deliberadamente o seu fornecimento ou fornecê-la intencionalmente de forma incorreta, incompleta ou imprecisa". O agente público que descumprir a lei pode ser alvo de advertência, multa e até perda do cargo público.

A série de 54 e-mails expõe a postura proativa do governo brasileiro para liberar cargas de matéria-prima da hidroxicloroquina a empresas que fabricam o medicamento no País. As mensagens foram enviadas pelo ministro-conselheiro da Embaixada do Brasil na Índia, Elias Antônio de Luna e Almeida Santos, segundo na hierarquia do posto diplomático. "Estamos acompanhando esta questão com muita atenção", disse em um e-mail de 31 de março ao diretor de uma empresa fornecedora de hidroxicloroquina. Em outro, o diplomata brasileiro pediu "a maior urgência possível" a um representante de uma farmacêutica sobre o preenchimento de documentos.

Publicidade

Procurado, o Itamaraty não se manifestou até a publicação deste texto.

Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações