+ 1.000 cursos online para você ser tudo o que quiser.

Azul começa a demitir trabalhadores e sindicato do setor fala em mais de mil vagas cortadas

Funcionários que trabalham na manutenção de aeronaves e aeroportos no País foram os primeiros impactados; aérea disse que procura solução para preservar empregos

6 jul 2020 19h34
Compartilhar
comentários

A Azul Linhas Aéreas começou na semana passada a demitir funcionários de terra, que trabalham na manutenção de aeronaves e nos aeroportos, informou Patrícia Gomes, coordenadora da região sul do Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA). Segundo ela, mais de mil trabalhadores já foram dispensados em todo o País, nem todos ligados ao SNA. Ela disse que as negociações com a companhia para um acordo estão paralisadas e que o sindicato pediu a intermediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST) sobre o tema.

Procurada, a Azul informou que a crise da covid-19 impactou os negócios em todo o mundo, especialmente as companhias aéreas, e que como todas as empresas do setor, está buscando soluções para enfrentar os desafios, que incluem a preservação dos empregos de seus tripulantes. A companhia disse ainda que reuniu todos os seus esforços para preservar o máximo de posições possível. Um exemplo claro, segundo a Azul, é o acordo fechado na semana passada com o Sindicato dos Aeronautas e as negociações individuais com mais de dez sindicatos que representam os aeroviários, preservando assim mais de 5 mil empregos.

publicidade

De acordo com a Azul, mais de 2 mil tripulantes aderiram a programas voluntários acordados com os sindicatos, como os de incentivo à demissão, aposentadoria, e licença não remunerada.

"Mesmo com todas essas ações, parte dos tripulantes está deixando a empresa nessa semana. A companhia ressalta que está cuidando do assunto da melhor forma possível e oferecendo todas as garantias previstas em lei. Além da multa sobre o FGTS, os tripulantes que aderiram aos programas de incentivo à demissão e aposentadoria também terão a continuidade do benefício de plano de saúde e o direito à utilização da malha aérea da Azul. Ainda, todos os tripulantes que deixarão a empresa terão prioridade na recontratação quando a companhia retomar seu crescimento", disse a empresa em nota.

Jason Ward, vice-presidente de Pessoas e Clientes da Azul, explicou que para atravessar essa crise muitas decisões difíceis precisam ser tomadas, mas está confiante de a companhia voltará a crescer em um futuro breve e que poderá recontratar muitos desses tripulantes.

Segundo o Sindicato dos Aeroviários, a companhia aérea está tomando medidas unilaterais para a dispensa dos trabalhadores e aproveitando esse momento de crise para se estruturar. Patrícia disse que a intenção da empresa, já demonstrada em conversas anteriores, é deixar de operar 27 bases em aeroportos pequenos de todo o País. Já teria havido demissões em Vitória, Goiânia, Rio e Salvador. Alguns funcionários foram dispensados por telefone, de acordo com Patrícia.

publicidade

Sérgio Dias, presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores na Aviação Civil, disse que já foram fechados acordos de demissão voluntária e licença remunerada com a Azul em Porto Alegre, Recife e Guarulhos. Ele afirmou que as demissões de agora podem ser pontuais, mas admitiu que a baixa procura por esses planos pode resultar em mais dispensas nos próximos dias.

Veja também:

Video Player
Covid-19: O que faz algumas pessoas ficarem gravemente doentes, enquanto outras têm sintomas leves?
Fique por dentro das principais notícias
Receba notificações
publicidade
Veja também
Mais lidas do Terra
Últimas notícias