Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Ceni projeta 'decisões' no São Paulo em junho e espera que diretoria não venda principais estrelas

Treinador é categórico sobre possíveis saídas de atletas do Morumbi: 'se não for para vender por mais de 10 milhões de euros, não deve vender'

23 mai 2022 08h10
| atualizado às 08h10
Compartilhar

O empate com o Corinthians pela sétima rodada do Brasileirão não deixou o técnico Rogério Ceni satisfeito. O comandante esperava somar mais três pontos no campeonato, até porque ele já projeta disputas decisivas pelo São Paulo no próximo mês. Segundo o treinador, a partir de agora as competições vão começar a se afunilar e ele espera manter o tricolor em alta.

"Acredito que no mês de junho começaremos a ter mais dificuldades, pois todos os jogos passam a ser decisivos", afirmou o treinador, que além do Brasileirão vai comandar o São Paulo em partidas de mata-mata pela Copa do Brasil (oitavas de final) e pela Copa Sul-Americana (time já está garantido nas oitavas também).

Publicidade

Só que nesse projeto de tentar levar adiante as três competições, Ceni já avisou a diretoria que espera manter as principais peças no elenco e, caso o clube realmente tenha de vender jogadores, precisa ser um negócio que seja lucrativo. "Se não for para vender por mais de 10 milhões de euros, não deve vender", disse.

O maior temor de Ceni é perder algumas peças importantes da equipe, principalmente os jovens jogadores que estão se destacando como Rodrigo Nestor, Gabriel Sara, Pablo Maia e Igor Gomes. "Tem alguns jovens que são muito importantes para a gente e não podemos perder. No final do ano, faz parte. Mas não dá para desmanchar o time agora", continuou.

Ceni confessa que uma boa venda para o exterior, acima de 10 milhões de euros, mais a porcentagem de uma possível negociação do atacante Antony na Europa (o clube paulista ganharia praticamente a mesma quantia caso o atleta se transfira do Ajax para o Manchester United), daria tranquilidade para o caixa tricolor.

O comandante reforça que, caso alguma peça saia, ela teria de ser reposta com atletas que atuam no Brasil. "Não precisamos trazer jogadores caros, podemos olhar para a Série B. O São Paulo já formou grandes times assim, não precisamos de nome. Precisamos de jogador com alma e coragem", explicou.

Publicidade

O treinador também falou sobre a permanência de Calleri para a próxima temporada. O atacante tem contrato até o fim do ano, mas o São Paulo deve exercer sua prioridade de compra por US$ 3 milhões. "Eu tenho convicção de que o Calleri vai ser comprado. Tenho certeza de que ele vai ficar com a gente. É um jogador muito importante, jogamos em função dele, no São Paulo ele se sente bem e é feliz. Mas no momento correto, só no final do ano vamos ver isso. Até lá tem muita coisa para acontecer", avisou.

Show Player
Fique por dentro das principais notícias de Futebol
Ativar notificações