Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Zarco revela "luta com a moto" e pretende "incorporar estilo" de Bagnaia para evoluir

Johann Zarco teve uma dura segunda metade de temporada na MotoGP, mas espera vida mais tranquila para o próximo ano e quer se inspirar no estilo de um colega da Ducati

27 nov 2021 12h42
Compartilhar
Johann Zarco teve um ano difícil na MotoGP
Foto: Pramac / Grande Prêmio

O QUE ESPERAR DE PETRUCCI NA NOVA AVENTURA NO DAKAR | GP às 10

A temporada 2021 de Johann Zarco foi de altos e baixos na MotoGP. Depois de um bom começo, inclusive com pódios, o francês perdeu o ritmo na segunda parte e ficou apagado, cada vez mais distante da briga pelo título. No fim, terminou na quinta colocação, mais de 100 pontos atrás do campeão Fabio Quartararo.

Publicidade

Pior do que isso para Zarco: o piloto da Pramac foi apenas o terceiro melhor da Ducati no certame, atrás de Francesco Bagnaia e Jack Miller na competição interna. Após os testes coletivos em Jerez, o francês já mostrou que vai tentar se inspirar no italiano que venceu quatro das últimas corridas e fechou o ano como vice.

"Enquanto o Pecco [Bagnaia] for veloz como hoje, significa que temos coisas a entender. Acho que o potencial da moto está aumentando e meu trabalho é ter mais essa percepção. Não exatamente [andando] como o Pecco, mas na mesma direção e então incorporar ao meu estilo", disse Zarco.

Johann Zarco em ação nos treinos do GP da Emília-Romanha (Foto: Pramac)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Publicidade

"Eu testei a nova carenagem, mas não é fácil dar um comentário claro com o vento tão forte. Com uma carenagem ou outra, vai ser sempre uma luta com a moto, então quando você está realmente lutando muito, é difícil comentar com clareza. Mas algumas coisas são positivas e isso é o principal", seguiu.

Johann também comentou sobre outras mudanças implementadas pela Ducati nos primeiros testes e que agora só vão ser utilizadas novamente em 2022, nas sessões coletivas de fevereiro, na Malásia.

"O motor também é novo, mas Jerez é uma pista curta e tudo funcionou bem, então quando não há nada errado é algo positivo. E é difícil dizer quão rápido pode ser porque nós só colocamos a sexta marcha por dois segundos e mal alcançamos os 300 km/h. Logo, essa não é a melhor pista para testes com motores, mas pelo menos tivemos quilometragem e tudo funcionou bem", analisou.

Com Marc Márquez mais ou menos, Honda sofre na MotoGP e busca rumo para 2022

Publicidade

PARCEIROS E RIVAIS: COMO GARDNER E RAÚL FERNÁNDEZ ENTRAM NA MOTOGP | GP às 10

Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações