Tire a ideia do papel e crie hoje o site para o seu negócio com até 35% de desconto

Cardiologista diz que Eriksen teve 'morte súbita abortada': 'É a maior emergência de toda a medicina'

Segundo o médico, agora Eriksen faz parte de um grupo seleto de menos de 10% das pessoas que sofrem morte súbita, conhecida como 'infarto fulminante', e sobrevive

13 jun 2021 13h12
| atualizado às 13h37
Compartilhar

Não seria exagero dizer que Eriksen, jogador de 29 anos, da Dinamarca e da Inter de Milão, morreu em campo na tarde deste sábado, defendendo seu país em um jogo da Eurocopa. Porém, graças aos médicos que prestaram um rápido atendimento ao jogador, a morte foi 'abortada'. É o que diz o cardiologista e eletrofisiologista Jose Alencar, autor do livro Manual de Medicina Baseada em Evidências.

Eriksen caiu desacordado e teve a vida salva pelos médicos ainda no gramado (Foto: AFP)
Foto: Lance!

- O jogador dinamarquês Christian Eriksen não teve uma convulsão. O que ocorreu foi uma morte súbita. E, devido ao rápido atendimento, essa morte súbita foi "abortada". Morte súbita é aquela inesperada, que ocorre até 1 hora após o início dos sintomas (no caso de Eriksen, foi instantâneo). 13% das pessoas morrem subitamente. 50% das pessoas que morrem do coração morrem subitamente. No esporte, ocorre 0,5-2,1 morte súbita por 100 mil pessoas/ano - começou explicando, em postagem feita no Twitter.

Publicidade

- Quanto mais rápido uma pessoa em morte súbita por ritmo chocável recebe a desfibrilação, melhores as suas chances. A cada minuto sem desfibrilação, a chance de sobreviver cai 10%! É a maior emergência de toda a Medicina - afirmou.

Eriksen segue repousando e sendo monitorado em um hospital após assustar milhões de pessoas que acompanhavam a partida em todo o mundo. O jogador, segundo o cardiologista, agora faz parte de um grupo seleto de menos de 10% das pessoas que sofrem morte súbita, também conhecido como 'infarto fulminante', e sobrevivem.

- Atualmente, a taxa de sobrevivência de um episódio de morte súbita é de 7,6% em países desenvolvidos. Em locais onde há DEA e há treinamento em massa da população para oferecer suporte básico de vida (compressões de qualidade e manuseio correto do DEA), a chance é maior - disse.

- A principal causa de morte súbita é o temido infarto (o que chamam de "infarto fulminante"). Antes dos 35 anos, contudo, essa causa ainda é frequente, mas começa a perder espaço para outras doenças cardíacas: cardiomiopatia hipertrófica, displasia do VD, entre outras - concluiu.

Publicidade

José Alencar explicou ainda que em casos como o de Eriksen é comum a implantação de um aparalho conhecido como CDI, que tem função semelhante ao popular marcapasso, mas que não precisa ser trocado com tanta frequência, pois age por demanda.

- CDI é um cardiodesfibrilador móvel que implantamos no paciente. O aparelho detecta arritmias e entrega um choque sempre que necessário. A causa que levou à arritmia também deve ser diagnosticada e tratada (infarto deve receber stent, por exemplo). Se for descoberta uma cardiomiopatia ou canalopatia (doença dos canais iônicos do coração) genética, os familiares devem ser rastreados - analisou.

Fique por dentro das principais notícias de Esportes
Ativar notificações