Tire a ideia do papel e crie hoje o site para o seu negócio com até 35% de desconto

Hamilton quer ficar na F1 para tornar esporte mais inclusivo: "É o que me move"

Com mais dois anos garantidos na Fórmula 1, Lewis Hamilton tem a meta de tornar a categoria mais inclusive e acessível. O campeão reitera a importância também do posicionamento por causas sociais

28 set 2021 14h41
Compartilhar
Hamilton quer continuar na F1 para deixar a categoria mais acessível
Foto: Mercedes/LAT Images / Grande Prêmio

HAMILTON VENCE, MAS MERCEDES SENTE REAÇÃO DE VERSTAPPEN NA F1 2021 | Paddock GP  #258

Com garantia de pelo menos mais dois anos na Fórmula 1, o heptacampeão Lewis Hamilton ainda tem metas a alcançar nas pistas. E não somente de títulos e vitórias: o piloto de 36 anos quer fazer do esporte um lugar mais abrangente, e não só para os pilotos. Lewis afirmou que quer oportunidades na F1 para engenheiros, mecânicos ou pessoas que jamais sonhariam em chegar lá.

Publicidade

Recentemente, o dono do carro #44 salientou as dificuldades que teria, caso sonhasse em ingressar na F1 nos tempos atuais, já que a categoria se tornou um "clube de meninos bilionários". Por isso, ele ressalta a importância de tornar o esporte algo mais acessível.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

"O sonho que me move este ano é tornar este esporte mais abrangente, mais inclusivo, um novo caminho dedicado a engenheiros e outras pessoas que nem sequer sonhariam em fazer parte da Fórmula 1. Eu gostaria que todas as equipes fizessem parte disso. Vivemos em um mundo onde muitas pessoas não sabem o que está acontecendo e outras pensam que, se algo não diz respeito a elas, não é preciso fazer nada", afirmou Hamilton, em entrevista à Sky Italia.

2020 foi uma temporada de grande transformação na F1 (Foto: Mercedes/LAT Images)

Publicidade

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Voz ativa do esporte, Hamilton sempre apoiou causas sociais, pautas de inclusão e diversidade. No movimento 'Black Lives Matter', mobilizou atletas na luta antirracista. O britânico usa redes sociais também para engajar seu público, falando sobre diversos temas que necessitam de visibilidade.

"Vivemos em um mundo onde é importante fazer sua voz ser ouvida. É uma loucura ouvir essas notícias, como a restrição dos direitos da mulher ao aborto nos Estados Unidos. É uma loucura, não é? E mesmo que, como homem, isso não me diga respeito diretamente, é justo falar sobre isso. É justo apoiar e fazer parte de uma geração que busca mudanças. Isso pode ser feito para qualquer tópico, como mudança climática e direitos humanos", acrescentou.

Publicidade

Vale ressaltar que, para este ano de 2021, Hamilton criou a equipe X44 no grid da Extreme E, competição que é disputada com SUVs elétricas em condições climáticas extremas e em lugares distantes do planeta. As corridas são disputadas em todos os ambientes mais remotos do mundo para demonstrar a performance dos SUVs elétricos para destacar o impacto que a mudança climática já está tendo em tais ecossistemas. Entre as novidades da categoria está a igualdade de gênero, com as equipes tendo de escalar um homem e uma mulher por carro inscrito.

COMO NORRIS NO GP DA RÚSSIA DE F1 LEMBROU BARRICHELLO NO GP DA ALEMANHA 2000

Show Player
Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações