Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Ubrabio: Decisão do CNPE de manter biodiesel em 10% promove desmanche do setor

29 nov 2021 21h14
Compartilhar

A União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) afirmou que a decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), de manter em 10% o porcentual de mistura do biodiesel ao diesel para o ano de 2022, coloca em risco todo o programa do biodiesel e desmancha o avanço que se buscava para o programa de biocombustíveis no Brasil.

"Esta decisão significa desmontar o programa de biodiesel e condenar à morte milhares de brasileiros por doenças relacionadas à poluição, em especial pelo uso de diesel fóssil importado de péssima qualidade para a saúde pública", criticou o diretor superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski.

Publicidade

Ele afirmou que, em agosto, o próprio ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, tinha anunciado, durante a II Biodiesel Week, a continuidade do cronograma de mistura, anunciando 15% de biodiesel ao diesel em março de 2023.

Atualmente, 54 usinas de biodiesel - distribuídas em 47 municípios de todas as regiões do País e em 14 unidades da Federação -, estão autorizadas pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a produzir 12,3 bilhões de litros ao ano, frente a uma demanda estimada, para este ano, de cerca de 6,6 bilhões de litros.

"Esta é uma decisão desqualificada do ponto de vista econômico, social e ambiental, sem a menor justificativa, ainda mais diante da ociosidade atual de mais de 50%", alertou Tokarski.

Segundo ele, a manutenção do índice de mistura obrigatória em 10% também vai deixar de fora do programa cerca de 20 mil trabalhadores da agricultura familiar, hoje encarregados de fornecer matéria-prima para o biodiesel. A decisão do CNPE ainda vai aumentar a importação de mais de 2,5 bilhões de litros de diesel fóssil.

Publicidade

Preço

Levantamento da Ubrabio mostra que, ao contrário do argumento que levou o CNPE a manter em 10% a mistura obrigatória entre maio e outubro, não é o biodiesel o responsável pelo encarecimento do diesel ao consumidor final.

A participação do biodiesel na formação do preço do diesel B, vendido nos postos de abastecimento, era de 13,6% em primeiro de janeiro deste ano e passou a 13,7% em primeiro de outubro. Uma variação insignificante de menos de 1 ponto porcentual.

No mesmo período, o peso do diesel fóssil no preço ao consumidor final passou de 47,7% em janeiro para 56,2% em primeiro de outubro, mais de 8%. Estes cálculos consideraram todas as variações do porcentual do biodiesel no diesel fóssil no período.

Publicidade

A Ubrabio, entidade que representa 40% da produção de biodiesel, reivindica a retomada do cronograma de mistura de biodiesel ao diesel de petróleo que o próprio CNPE previa 14% a partir de março de 2022, e 15% em março de 2023, como estabelece a legislação.

"Esperamos que o governo e o CNPE retomem o cronograma de mistura de biodiesel ao diesel fóssil para que o setor de biodiesel volte a ter esperança no programa e minimize os prejuízos causados até agora com a redução da mistura obrigatória", concluiu o presidente da Ubrabio, Juan Diego Ferres.

A Ubrabio disse ainda que a decisão do CNPE também é um equívoco porque vai em sentido contrário ao definido pela 26ª Conferência do Clima (COP26), realizada no início de novembro em Glasgow, na Escócia.

Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações