+ 1.000 cursos online para você ser tudo o que quiser.

'Reabrir agora é suicídio': os donos de bares e restaurantes que decidiram continuar fechados

Para empresários, reabertura do setor em São Paulo aumenta custos dos estabelecimentos, com contratações e renovação de estoque, em momento em que maioria dos clientes não quer se arriscar em sair de casa.

7 jul 2020 05h01 - atualizado às 07h51
Compartilhar
comentários
Como fez o Rio de Janeiro na semana passada, bares e restaurantes de São Paulo puderam reabrir as portas na segunda-feira
Foto: Agência Brasil / BBC News Brasil

Um grupo de donos de bares e restaurantes de São Paulo decidiu manter as portas dos estabelecimentos fechadas mesmo com a autorização do governo do Estado para a reabertura. Entre os motivos alegados, estão a falta de segurança para funcionários e clientes, expectativa de baixo movimento e receio de falência.

A partir de segunda-feira (6/7), a gestão do governador João Doria (PSDB) passou a autorizar que estabelecimentos do setor voltem a funcionar depois de quase quatro meses de quarentena por causa da pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

publicidade

Para isso, os locais precisam seguir algumas regras, como horário fixo (das 11h às 17h), lotação de até 40% da capacidade, proibição de mesas nas calçadas e exigência de uso de termômetros e máscaras, além de distanciamento entre os clientes.

O governo classificou esse cenário — de flexibilização gradual da economia com restrições — de "amarelo". A condição "verde" traria "abertura parcial", e a "azul" seria o "normal controlado".

Segundo o Ministério da Saúde, o Estado de São Paulo tinha no domingo (5/7) cerca de 320 mil infectados por coronavírus, além de pouco mais de 16 mil mortes por covid-19.

"Achamos os protocolos (de reabertura) vagos e, em alguns casos, sem sentido. Por que abrir apenas para o horário do almoço e fechar à noite? Não há nenhuma pesquisa mostrando que o coronavírus se propaga mais à noite", diz Gabriel Pinheiro, dono da pizzaria Villa Roma, que tem duas unidades na capital: uma na região da avenida Paulista e outra no Tatuapé.

publicidade

Segundo ele, a maior parte do faturamento do restaurante antes da pandemia vinha do período noturno, no jantar. O almoço, no entanto, reunia clientes que trabalham em prédios comerciais e de escritórios — hoje, em boa parte, fechados.

"Não faz sentido para nós abrir só de manhã se nossos clientes estão trabalhando em home office", explica. "Ninguém vai sair de casa para almoçar fora nesse momento. As pessoas estão cozinhando ou pedindo por delivery."

O empresário Gerson Higuchi, dono do restaurante Apple Wood, no bairro da Anália Franco, também tem a maior parte do seu faturamento à noite. "Quem vai vir almoçar se as pessoas não estão trabalhando nos escritórios?", questiona.

'Reabrir é suicídio'

Empresários ouvidos pela BBC News Brasil, que atendem hoje apenas por delivery, dizem temer que a reabertura dos restaurantes signifique um prejuízo financeiro ainda maior — e até a falência diante do aumento de gastos sem retorno no faturamento.

publicidade

"Nós hoje operamos de maneira enxuta, com poucos funcionários. Suspendemos os contratos de 70% do nosso pessoal. Se reabrir, teria de trazê-los de volta sem perspectiva de que o faturamento iria aumentar novamente", explica Gabriel Pinheiro, da pizzaria Villa Roma.

Segundo o empresário, a atual operação por delivery rende apenas 20% da arrecadação do restaurante antes da pandemia, volume que não paga nem os custos fixos de suas duas unidades, como aluguel, salários e fornecedores. "Hoje temos um prejuízo semanal de R$ 10 mil em cada pizzaria", diz.

Já Gerson Higuchi, do Apple Wood, concorda que a reabertura do espaço criaria mais gastos sem garantia de retorno financeiro diante do movimento fraco.

"Teríamos que recontratar os funcionários, aumentar o estoque e outros gastos, além de reformular a operação sem garantia de que o movimento volte a crescer. Vi pesquisas mostrando que a grande maioria das pessoas não está disposta a sair de casa ainda", diz ele, que durante a pandemia demitiu 17 dos antigos 20 funcionários.

publicidade

"Nós ainda não atingimos o pico da pandemia. Agora, no inverno, os casos podem aumentar e, possivelmente, o governo terá de fechar novamente o comércio. Entendo quem está desesperado, também estou. Mas preferi esperar do que reabrir agora e ter de fechar de novo daqui a 30 dias. Qualquer movimento que eu tome sem planejar muito bem pode ser fatal para minha empresa. Reabrir agora é suicídio, significa falência", explica.

Para Percival Maricato, presidente da seção paulista da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), muitos estabelecimentos da cidade não têm capacidade financeira para reabrir nesta semana.

"Mesmo para reabrir, os proprietários precisam recontratar o pessoal e renovar estoque. Nem todo mundo consegue fazer isso hoje, então prefere ficar quietinho, fechado. Muita gente que reabrir terá mais prejuízo ainda", diz.

Segundo ele, a Abrasel tem negociado uma flexibilização ainda maior, com aumento do horário permitido até o período noturno e o fim da restrição do uso de mesas nas calçadas — algo bastante popular em São Paulo e que foi proibido pela nova norma do governo do Estado.

publicidade

Para Renato Yada, dono do bar e restaurante de comida japonesa Izakayada, na região central de São Paulo, reabrir o local colocaria os clientes e funcionários em risco de infecção por coronavírus.

"Nosso espaço é pequeno, as pessoas ficam bem juntas. Pela norma de 40% da capacidade, poderíamos receber só seis pessoas durante seis horas. Não vale a pena colocar as pessoas em risco. Tenho familiares idosos, não posso levar a doença para casa", diz.

O Izakayada tem funcionado apenas por delivery — e o dono é quem faz as entregas, sem auxílio de profissionais de aplicativos. Para continuar funcionando, o bar demitiu quatro funcionários e hoje apenas os sócios trabalham na unidade.

"Nosso faturamento caiu 80%. Hoje não conseguimos nem pagar as contas, às vezes precisamos vender algumas coisas para compensar o prejuízo. Só estamos de pé porque somos pequenos e porque temos esperança de que em breve a situação vá melhorar", diz.

publicidade

'Vitória mutilada'

Para o empresário Facundo Guerra, dono de bares e baladas como o Riviera e o Cine Joia, a reabertura do setor é uma "vitória mutilada". "Abrir agora significa expor meus funcionários, meus cliente e eu mesmo. Os números estão aí. Não achatamos a curva de infecções nem chegamos no pico da pandemia", diz.

"Os shoppings reabriram e continuam vazios. Já os bares são locais de celebração, e hoje não temos nada para celebrar. Entendo as pessoas que querem retomar os negócios, mas acho uma decisão equivocada. Não há garantia de que o investimento para a reabertura agora será recompensado", afirma.

A empresária Ana Massochi, dona do restaurante de comida argentina Martín Fierro, na Vila Madalena, conta que também preferiu continuar atendendo apenas por delivery para proteger seus funcionários.

Governo de São Paulo decidiu flexibilizar a abertura da economia depois de quase quatro meses de quarentena
Foto: Reuters / BBC News Brasil

"O momento é crítico, a curva de infecção não baixou. A maioria dos meus funcionários usa transporte público para vir trabalhar. Não posso e não vou expô-los ao coronavírus", diz.

publicidade

Para ela, que suspendeu contratos e reduziu salários em 50%, também não há garantia de que todos os clientes vão sempre respeitar as normas, como uso de máscaras.

"Imagina uma pessoa que tomou duas caipirinhas e passa a não seguir as regras. Como meu garçom vai resolver essa situação? Chama a polícia? E se houver violência?", questiona.

A empresária afirma que o delivery cobre apenas 50% da operação do Martín Fierro. "Estamos há quatro meses com prejuízo. As contas continuam chegando… Tudo está funcionando, menos o crédito para o pequeno empresário. Não tivemos um tostão do governo", reclama.

Para Percival Maricato, da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, o poder público também deveria olhar para o setor. "Tão importante quanto a reabertura do comércio seria fazer com que o crédito chegue na ponta. Muitos pequenos empresários estão frágeis financeiramente e não têm capacidade de reabrir", diz.

publicidade

Veja também:

Video Player
BC corta Selic para 3% ao ano
Fique por dentro das principais notícias
Receba notificações
BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
publicidade
Veja também
Últimas notícias