Lula diz que Campos Neto é adversário político-ideológico e que troca no BC devolverá 'normalidade'

Segundo petista, presidente do Banco Central faz 'questão de dar demonstração de que não está preocupado com a nossa governança'; ele voltou a criticar quem quer 'especular e ganhar com a taxa de juros'

21 jun 2024 - 16h52

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira, 21, que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, é seu "adversário político" e o associou ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Em entrevista à Rádio Mirante News, do Maranhão, Lula voltou a fazer críticas à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, de interromper as quedas na taxa de juros e manter a Selic no patamar de 10,50% ao ano, apesar do governo insistir que é necessário que a instituição baixe o porcentual.

Publicidade

"O presidente do Banco Central é um adversário político, ideológico e adversário do modelo de governança que nós fazemos. Ele foi indicado pelo governo anterior e faz questão de dar demonstração de que não está preocupado com a nossa governança", declarou.

Lula relembrou que o mandato de Campos Neto se encerra em 2024 e que o governo poderá indicar um novo nome para o posto.

Lula voltou a dizer que os 'bancos não querem emprestar dinheiro'
Lula voltou a dizer que os 'bancos não querem emprestar dinheiro'
Foto: Wilton Junior/Estadão / Estadão

"Nós estamos chegando no momento de trocar o presidente do Banco Central", destacou. "Eu acho que as coisas vão voltar à normalidade, porque o Brasil é um País de muita confiabilidade."

O presidente também voltou a dizer que "os bancos não querem emprestar dinheiro" e que "querem especular e ganhar com a taxa de juros". "O nervosismo especulativo que está acontecendo não vai mexer com a economia brasileira", acrescentou.

Publicidade

Lula já havia criticado a decisão do Banco Central em suas passagens por Piauí e Ceará, quando disse que a manutenção da Selic em 10,50% "foi uma pena" e que, com isso, "quem perde é o povo brasileiro".

Depois de sete quedas seguidas, o Copom do Banco Central interrompeu, em decisão unânime, o ciclo de cortes da taxa básica de juros, iniciado em agosto do ano passado, e manteve a Selic em 10,50% ao ano. O resultado, divulgado na quarta-feira, 19, era amplamente esperado pelo mercado, em meio ao impasse do governo na condução da política fiscal e ao aumento das expectativas de inflação.

Mais do que o resultado, a grande expectativa dos agentes econômicos era sobre o placar da decisão, sobretudo após Lula ter retomado a ofensiva contra o Banco Central e o presidente da instituição, Roberto Campos Neto. A votação unânime agrada o mercado, depois da forte divisão da reunião de maio.

TAGS
Curtiu? Fique por dentro das principais notícias através do nosso ZAP
Inscreva-se