+ de 1.000 cursos online para você ser tudo o que quiser por R$ 19,90/mês.

Ibovespa tem volatilidade com dados chineses e ataques na Arábia Saudita; Petrobras avança

16 set 2019 10h17 - atualizado às 12h36
Compartilhar
comentários

A bolsa paulista não mostrava uma direção firme nesta segunda-feira, em sessão marcada pelo vencimento de opções e volatilidade no exterior após dados de atividade mais fracos da China e aumento das tensões geopolíticas na esteira de ataques a campos e instalações de petróleo na Arábia Saudita.

Bolsa de Valores de São Paulo 25/07/ 2019 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

Às 11:29, o Ibovespa caía 0,05%, a 103.451,76 pontos. O volume financeiro somava 6,6 bilhões de reais.

publicidade

Dados chineses mostraram no fim de semana que a desaceleração da segunda maior economia do mundo se intensificou em agosto, com o crescimento da produção industrial no ritmo mais fraco em 17 anos e meio, reforçando as preocupações com o ritmo de crescimento da economia mundial.

Também no fim de semana, instalações petrolíferas da Arábia Saudita foram bombardeadas por drones, paralisando a produção de petróleo da Saudi Aramco equivalente a cerca de 5% da oferta global, o que fez a cotação da commodity disparar nesta segunda-feira para quase 72 dólares o barril.

"O maior risco geopolítico decorrente desse evento e o aumento de preços podem constituir mais um vetor negativo à atividade global, já em desaceleração", destacou o Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, em relatório enviado a clientes.

Para a equipe da XP Investimentos, os ataques à Saudi Aramco deverão impor maior cautela nas decisões de juros essa semana.

publicidade

"Bancos centrais do mundo todo (EUA, Japão, Inglaterra) e o Banco Central do Brasil decidirão suas novas taxas de juros entre quarta e quinta dessa semana e deverão analisar com cautela os potenciais impactos sobre preços", ressaltou, em relatório enviado a clientes.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiam 3,2% e 3,6%, respectivamente, apoiadas na disparada dos preços do petróleo no mercado externo diante das tensões geopolíticas elevadas no Oriente Médio após ataques a campos e instalações de petróleo na Arábia Saudita.

- AZUL PN e GOL PN caíam 7,4% e 6,8%, respectivamente, pressionadas pelo salto nos preços do petróleo, o que acaba elevando os custos de companhias aéreas.

publicidade

- MAGAZINE LUIZA perdia 0,6%, também entre as maiores quedas, no segundo pregão de ajuste negativo seguido. No setor, VIA VAREJO cedia 0,14% e B2W subia 0,4%.

- VALE perdia 2,1%, tendo de pano de fundo números mais fracos sobre a atividade econômica na China, em movimento que seguia o de ações de outras mineradoras na Europa.

- CIELO tinha elevação de 6,4%, tendo no radar ruídos relacionados a eventuais negociações de fusão e aquisição. No fim de semana, o colunista Lauro Jardim, do jornal o Globo, publicou que a Stone e a Cielo andaram conversando nas últimas semanas e que o interesse esfriou, mas que as portas para retomar as conversas continuam abertas. As ações da Stone em Nova York subiam 5,2 por cento.

Fique por dentro das principais notícias
Receba notificações
Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade
Últimas de Economia