Alane cancela "cancelamento" e cresce nas redes sociais após críticas à PL do aborto

A ex-BBB viralizou e ganhou apoio de progressistas após perder seguidores por criticar projeto de lei que equipa aborto a homicídio

16 jun 2024 - 16h20
Foto: X/Big Brother Brasil / Pipoca Moderna

Alane Dias flertou com o cancelamento no sábado (15/6) ao se posicionar firmemente contra o Projeto de Lei 1904, que equipara o aborto a homicídio, mesmo em casos de estupro. Ela chegou a perder 40 mil seguidores e foi atacada por diversos perfis conservadores. Mas a queda foi rapidamente revertida e neste domingo ela já recuperou metade das perdas. Na verdade, houve uma troca de seguidores, com uma movimentação de saídas e chegadas muito maior que a diferença dos números conseguiu registrar.

Publicidade

A opinião que rachou os fãs

A quarta colocada do "BBB 24" causou na internet ao manifestar sua revolta contra o projeto de lei. "Vocês conseguem ver o quanto isso é grave?", questionou a paraense num vídeo postado no Instagram, visivelmente indignada.

"Esse projeto basicamente obriga que a vítima seja mãe do filho de um estuprador. O aborto no Brasil, em caso de estupro, é um direito da vítima", enfatizou a ex-BBB. Para ela, a mudança não só retira um direito conquistado, mas também pune as vítimas de forma desproporcional. A dançarina não poupou críticas aos responsáveis pelo projeto, destacando que os políticos deveriam focar em combater a violência sexual, e não em criminalizar as vítimas. "Algo que foi feito para amparar essas mulheres, agora visa criminalizá-las. A gente não pode deixar isso acontecer", argumentou Alane. Ela ainda ressaltou a discrepância nas penalidades propostas, onde a vítima acabaria com uma pena maior que a do estuprador. "Em resumo, se uma criança vítima de estupro engravidar e escolher interromper a gravidez, o PL 1904 pode condená-la em até 20 anos de prisão. O aborto legal se torna um crime mais severo do que o estupro", ela escreveu ao lado do vídeo.

No fim do vídeo, Alane ainda fez um apelo para que seus seguidores ajudassem a barrar a aprovação da PL 1904. Ela explicou como se posicionar contra o projeto através do site do governo e concluiu com um recado enfático: "Criança não é mãe e estuprador não é pai".

Publicidade

A conquista de novos admiradores

A postura firme, que irritou alguns, encantou muitos outros. Com a repercussão, Alane reverteu seu "cancelamento" e conquistou de novos admiradores, passando a ser seguida até por pessoas que juram não ver o "Big Brother Brasil".

Ao comprar a briga da PL do aborto, também conhecida como PL do estupro entre seus críticos, o nome da ex-BBB viralizou no X (antigo Twitter) numa campanha de apoio encabeçada por perfis progressistas. A frase "Alane estamos com você", em reação à perda de seguidores, entrou nos tópicos mais comentados do sábado.

A dançarina viu a repercussão e comentou. "É bom demais sentir o amparo de vocês".

Graças ao apoio espontâneo, a ex-BBB não caiu do patamar dos 5 milhões de seguidores no Instagram, que adquiriu ao final do reality da Globo. Além da visibilidade trazida pela polêmica, ela conseguiu renovar sua base de fãs, atraindo pessoas mais próximas de suas opiniões. "Livramento pra ela. Ela foi maravilhosa. Aqui não é Gilead", expressou um perfil, citando o país conservador da série "The Handmaid's Tale" (O Conto da Aia).

Publicidade
Pipoca Moderna
Curtiu? Fique por dentro das principais notícias através do nosso ZAP
Inscreva-se