Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Entenda como Sasha e marido caíram em golpe do 'sheik' das criptomoedas

Segundo jornal, o casal de famosos investiu mais de R$ 1 milhão; eles estão processando o empresário Francisley Valdevino da Silva

30 jun 2022 - 13h49
(atualizado às 14h11)
Compartilhar
Sasha Meneghel e o marido João Figueiredo
Sasha Meneghel e o marido João Figueiredo
Foto: Reprodução/Instagram/@sashameneghel

A estilista e modelo Sasha Meneghel, 23 anos, e o marido, o cantor gospel João Figueiredo, 23 anos, estão processando o empresário Francisley Valdevino da Silva, conhecido como 'sheik' das criptomoedas, segundo informações do jornal O Globo

Conforme reportagem, o casal conheceu Frascisley em um culto de uma igreja evangélica e decidiu investir mais de R$ 1,2 milhão em um esquema de "locação de criptomoedas", da Rental Coins, uma das empresas do 'sheik', aberta em janeiro de 2019. Sasha e João teriam feito um investimento inicial de R$ 50 mil e, depois, mais dois contratos.

Publicidade

O esquema prometia rendimentos de até 8,5% do valor investido em aluguel de criptomoedas. Mas como o casal não teve o retorno esperado, foi aberto um processo de dano moral e material na 14ª vara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná em abril, alegando suposta fraude por parte da Rental Coins. 

Ainda segundo a publicação, o 'sheik' das criptomoedas é alvo de investigação pela Polícia Federal, suspeito de crime contra o sistema financeiro nacional e, além dos famosos, teria feito outras vítimas entre pastores e fiéis.

Imagem de cristão

Uma das formas de Francisley atrair clientes era fortalecendo sua imagem de cristão. O empresário tinha portas abertas no círculo evangélico. "[Francisley] sempre se mostrou bondoso, prestativo e muito religioso", disse ao jornal O Globo um ex-amigo do 'sheik' que levou um golpe de R$ 600 mil.

A estimativa é de que ele tenha conseguido atrair 40 mil investidores. No início, ele pagava conforme prometido. Em outubro do ano passado, começaram os atrasos nos pagamentos até que, dois meses depois, pararam completamente.

Publicidade

Ele alegou que a empresa estava em mudanças e fez um acordo com os investidores de que faria o ressarcimento em 38 prestações desde que eles assinassem um acordo em que abriam mão de eventuais ações na justiça.

As primeiras parcelas desse combinado foram pagas, mas logo pararam. Na sequência, ele tirou do ar a plataforma que mostrava os investimentos individuais dos clientes.

Com a palavra, Francisley

Em nota enviado ao O Globo, Francisley Valdevino da Silva informou que as empresas de seu grupo passam por uma reorganização devido à "anormalidades internas verificadas ainda em outubro do ano anterior" e, por isso, não pagaram os rendimentos mensais aos investidores. 

"Os erros cometidos por gestões passadas, que inclusive causaram enorme abalo às estruturas, ocasionaram atrasos nos pagamentos e inadimplementos contratuais. Com isso, foram tomadas medidas urgentes para atenuar os impactos causados aos clientes."

Publicidade

O responsável pela Rental Coins disse ainda que as empresas apresentaram aos clientes planos de pagamento e que, no momento, 9.445 clientes aceitaram o plano reestrutural e continuam recebendo seus rendimentos de cessão de criptoativos, enquanto outros 4.533 decidiram rescindir seus contratos por meio de acordos extrajudiciais e 702 usufruíram de atendimento jurídico presencial ao longo deste ano.

Francisley também fixou o mês de outubro de 2022 para retomada dos pagamentos pertinentes, "sendo este o prazo hábil para solução de todas as falhas anteriormente encontradas, possibilitando a regular continuação das atividades das empresas".

*Com Estadão Conteúdo

Fonte: Redação Terra
Fique por dentro das principais notícias de Entretenimento
Ativar notificações