Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Exposição na Japan House destaca simbiose da arte com a vida em Inujima

Mostra 'Simbiose: a ilha que resiste' vai até fevereiro e revela como a ilha no Japão, com apenas 50 moradores, virou base de intervenções artísticas integradas à comunidade

30 nov 2021 05h11
Compartilhar

Barulhos de vento, pássaros e enxadas trabalhando. Esse é o ruído típico de Inujima, uma pequena ilha cercada pelo Mar do Seto, no sudoeste do Japão. É também o barulho que recebe os visitantes da mostra Simbiose: a ilha que resiste, que estreia hoje (30) na Japan House e vai até 6 de fevereiro. Ao longo do segundo andar do centro cultural, há uma maquete - com escala de 1 pra 100 - que representa a ilhota, incluindo a Estrada Real que percorre os 0,54 km² do local. O objetivo é transportar o visitante para Inujima, mostrando o projeto de revitalização iniciado em 2010.

"Simbiose é um termo da ecologia que se refere a associação recíproca de dois ou mais organismos diferentes, o que lhes permite viver em uma relação benéfica. O objetivo da exposição é transmitir ao mundo a estética e a prática da simbiose, catalisada pela arte, arquitetura e projetos de design e paisagismo", conta Yuko Hasegawa, curadora da exposição e uma das idealizadoras do audacioso projeto "Art House Project".

Publicidade

Tudo começou em 2008, quando o arquiteto Hiroshi Sambuichi, em colaboração com o artista Yukinori Yanagi, transformou uma antiga fábrica da ilha no Inujima Seirensho Art Museum. Dois anos depois, vendo o potencial artístico do local, Yuko e a arquiteta Kazuyo Sejima decidiram transformar Inujima numa referência de arte e arquitetura contemporânea. Hoje, a ilha que conta com cerca de 50 habitantes (a maioria em torno dos 70 anos), se mistura entre pequenas casas tradicionais japonesas e obras de importantes nomes do movimento artístico.

"Nos últimos 10 anos, diversas experimentações que repensam as relações entre a natureza, o meio ambiente e o cotidiano vêm ganhando destaque, conectando esses elementos por meio da arte e da arquitetura, nas áreas rurais do Japão", explica Yuko. "Além dos cinco pavilhões (com galerias expositivas), existem exposições ao ar livre que mudam a cada três anos", diz ela. Por isso, a cidade é vida e se renova de arte a cada ciclo.

Mas nem sempre foi assim. Em meados do século 20, Inujima era uma base industrial próspera de 5 mil habitantes. Porém, com o fim das atividades fabris, houve uma mudança radical de hábitos, interesses e realidade. A cultura japonesa preza a integração da tradição com a inovação, e aqui não é diferente. A Estrada Real que contorna a cidade traz beleza com antigas pedreiras ou com obras de arte. O projeto destaca o conceito togenkyo, utilizado para denominar algo comum ao cotidiano, porém único e cheio de riqueza.

"O objetivo é criar um ecossistema que inclua também a vida cotidiana das pessoas", conta Yuko. Mais do que criar novos edifícios, ele propõe uma nova maneira de se relacionar com o entorno. No Inujima Life Garden, jardim ecológico a uma pequena distância do vilarejo, onde foi recuperada uma estufa de vidro e construído um café ao ar livre, há workshops para seus habitantes aprenderem sobre a convivência com as plantas. Os artistas, por exemplo, podem ficar na residência artística e vivenciar o cotidiano da ilha enquanto desenvolvem projetos.

Publicidade

"É mais natural você enxergar a população sendo expulsa quando se encontra uma nova vocação para determinado local, e nesse caso é o contrário. Eles (os moradores) têm orgulho de fazer parte de um lugar que, sim, sofreu uma degradação econômica e de paisagem, mas que de repente você consegue perceber a sua casa tomando outra proporção. Em vez do passado ser apagado, ele coexiste", conta Natasha Barzaghi Geenen, diretora cultural da Japan House São Paulo.

Para trazer essa simbiose, fotos, maquetes, vídeos curtos com linha do tempo, entrevistas com moradores permitem que o visitante possa observar o dia a dia da ilha. "A palavra 'resiste' está no nome da exposição porque é realmente encontrar outra vocação para ilha, que abraça e consegue que tudo seja transformado a partir disso, em todas as esferas", diz Natasha.

Dentro do programa JHSP Acessível, a exposição conta com recursos de audiodescrição, libras e elementos táteis.

Japan House: Av. Paulista, 52.

Publicidade

Até 6/2/2022. 3ª a 6ª, 10h/18h; sáb., 9h/19h; dom. e feriados, 9h/18h.

Entrada gratuita. Reserva (opcional): agendamento.japanhousesp.com.br

Fique por dentro das principais notícias de Entretenimento
Ativar notificações