Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Professor usa violões e inspira alunos de Juazeiro do Norte

Com projeto Amigos da Música, educador ensina aulas de violão e cidadania voluntariamente para comunidade

22 jun 2022 - 05h00
Compartilhar
Júlio Soares com os alunos do projeto Amigos da Música @Clarice Rosane/Clube Mural/Agência Mural
Júlio Soares com os alunos do projeto Amigos da Música @Clarice Rosane/Clube Mural/Agência Mural
Foto: Agência Mural

Com apenas 10 violões, o professor de história Júlio Soares, 26, está tocando um projeto musical voltado para crianças e jovens do Horto, bairro de Juazeiro do Norte, no Ceará. Todas às quartas-feiras, à noite, ele divide os cerca de 30 alunos em duas turmas, para o revezamento dos instrumentos disponíveis, em um salão da Escola Municipal de Ensino Infantil Senadora Alacoque Bezerra.

O projeto Amigos da Música, criado por Soares, é voluntário e teve início em outubro de 2020. As turmas são divididas por faixa etária. Às 19h, as aulas são para crianças com idades entre 6 e 12 anos; a segunda turma, voltada para alunos com idades a partir de 13 anos, começa a aula por volta das 19h40. Soares conta que a ideia de tocar em sala de aula veio antes mesmo dele se tornar professor.

"A música ajuda no processo de aprendizado, de humanização e cidadania. Ela serve até para relaxar os alunos e ajudá-los no processo de absorção dos conhecimentos. Uso a música também como uma maneira didática para explicar os conteúdos de filosofia e história que dou aula, e até mesmo como forma de entretenimento no finalzinho das aulas", diz.

O educador diz que um dos objetivos do projeto também é preencher a ausência de políticas públicas voltadas para a comunidade. "Essas crianças vivem em situações de vulnerabilidade social. Moram aqui na comunidade que, infelizmente, não está sendo assistida por políticas públicas. E o objetivo é fazer com que elas tenham acesso à arte, que ocupem a mente com cultura e música. Quem sabe futuramente, e eu espero, saia um violinista, um músico, um artista daqui".

Para a estudante Joice Gomes, 13, as aulas do Amigos da Música já surtiram efeitos em sua vida social. "Estou perdendo cada vez mais a minha timidez. Até na escola estou socializando mais com meus colegas de classe. Também canto em missas e, depois de um tempo, vou poder tocar também".

E elogia a iniciativa do professor. "Acho muito bonito isso que ele está fazendo, dando aulas para gente sem cobrar nada. Já que ele está gastando o tempo dele para nos ajudar. Só agradeço a ele por fazer isso por todos nós".

Para o estudante Cicero Gustavo, 16, as aulas são divertidas e o professor tem se empenhado a incentivar a turma. "Tem sido um dos momentos mais legais do meu dia, fico a semana inteira ansioso por chegar esse dia e estar sempre aprendendo algo mais", conclui.

O estudante Ruan da Silva, 16, diz ter ficado nervoso em uma apresentação na igreja da comunidade. Ele foi um dos primeiros alunos do projeto e, atualmente, já auxilia o professor com os novatos. "É uma experiência muito boa, porque as pessoas não têm condições de pagar aulas de violões, são muito caras e o Julio nos disponibiliza essas aulas todas as quartas. Quero aprender cada vez mais".

Sem investimentos financeiros, o professor conta que alguns alunos levam seus próprios instrumentos, e os violões utilizados em sala foram adquiridos por meio de rifas, colaboração de amigos e doações. Ele diz que gostaria de receber incentivos para o projeto.

"Não temos vínculos com igreja ou políticos. Não é que nós não quiséssemos apoio, é porque não chegou. Porque se vier vai ajudar essas crianças. Muitos clamam para levar um violão para casa, mas não posso deixar. E o sonho de muitos é ter um violão, mas os pais, muitas vezes, não têm condições de comprar", lamenta.

 

Soares diz que a procura pelo curso é constante, mas por conta da quantidade de instrumentos não é possível aumentar o número de vagas. Para ele, a ideia da iniciativa é também multiplicar o conhecimento musical e alguns alunos já ajudam os iniciantes.

"Minha maior angústia é não ter mais instrumentos para trazer mais gente, porque sempre tem gente querendo participar. A música é combustível", diz o professor que tatuou no braço a frase do filósofo alemão Friedrich Nietzsche: Sem a música a vida seria um erro.

Por Clarice Rosane, de Juazeiro do Norte, Ceará

Foto: Agência Mural

Essa reportagem foi produzida por um dos estudantes universitários do Ceará participantes do "Acontece nas Escolas", programa de bolsas de jornalismo da Agência Mural em parceria com o Instituto Unibanco. A iniciativa faz parte do Clube Mural, nossa área de treinamento e laboratório de prática e experimentos em jornalismo local e das periferias.

 

Foto: Agência Mural
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações