Perseverance: rover da NASA completa mil dias em Marte

O rover Perseverance, da NASA, já soma mais de mil dias em Marte. Relembre algumas descobertas do robô que vem explorando a geologia do Planeta Vermelho

17 mai 2024 - 15h00
(atualizado às 19h48)

Foi em 30 de julho de 2020 que o grande foguete Atlas V-541 foi lançado em Cabo Canaveral, na Flórida. Seu passageiro era o rover Perseverance, que iniciou naquele dia uma viagem de sete meses com destino a Marte, e hoje, ele já soma mais de mil dias por lá. 

Em fevereiro de 2021, o rover pousou na cratera Jezero. A descida ao solo marciano exigiu uma sequência complexa de paraquedas, retrofoguetes e até um dispositivo parecido com um guindaste aéreo.

Publicidade

O explorador robótico não estava sozinho: em sua "barriga", ele levava o helicóptero Ingenuity, uma demonstração de tecnologia criada para realizar no máximo cinco voos na fina atmosfera marciana. No fim, o Ingenuity foi tão eficiente que realizou mais de 70 voos

Desde seu pouso histórico em Marte, o Perseverance coletou mais de 20 amostras de diferentes áreas geológicas na cratera.

Representação da cratera Jezero e do lago que pode ter existido ali (Imagem: Reprodução/NASA)
Representação da cratera Jezero e do lago que pode ter existido ali (Imagem: Reprodução/NASA)
Foto: Canaltech

Claro que o local não foi escolhido por acaso: parece que aquele foi o lar de um antigo lago em Marte, então se tiver existido alguma forma de vida lá, este é o melhor lugar para o rover procurar vestígios dela.

Perseverance em Marte

Em meio às dezenas de amostras já coletadas pelo Perseverance, vale destacar aquela que recebeu o apelido "Lefroy Bay". O material parece ter grãos finos de sílica, mineral frequentemente encontrado na Terra e considerado eficiente para preservar fósseis.

Publicidade
Foto: NASA/JPL-Caltech/MSSS / Canaltech

Outras amostras contêm fosfato, composto que costuma ser associado a processos biológicos na Terra. Ambos têm carbono, elemento que pode revelar as condições ambientais a partir das quais as rochas foram formadas. 

Estas detecções nos dão um gostinho do trabalho que o rover vem desempenhando para cumprir um dos principais objetivos da sua missão: a procura de vestígios de vida em Marte, caso tenha existido. Mas, por enquanto, tais sinais ainda não foram encontrados. Resta aguardar.

Fonte: NASA

Trending no Canaltech:

É fã de ciência e tecnologia? Acompanhe as notícias do Byte!
Ativar notificações