Mulher é demitida após empresa monitorar teclado e perceber baixa atividade

Uma empresa australiana começou a monitorar quantas vezes uma funcionária pressionava as teclas do teclado por dia; baixa atividade resultou em demissão

9 ago 2023 - 14h06
(atualizado às 17h24)

A australiana Suzie Cheikho foi demitida da Insurance Australia Group (IAG) após a empresa rastrear quantas teclas ela pressionava por dia durante o horário de expediente. Ela trabalhava de forma remota como consultora da seguradora e, curiosamente, monitorava as práticas de home office na empresa.

A demissão ocorreu em fevereiro deste ano, sob justificativa de que a funcionária teria perdido muitos prazos e reuniões. A IAG advertiu Cheikho em novembro do ano passado e começou a monitorar a atividade digital dela, contando a quantidade de teclas pressionadas por dia entre outubro e dezembro.

Publicidade

Os resultados da análise revelaram que ela não trabalhou por nenhuma hora durante quatro dias. Além disso, não cumpriu as horas combinadas por 44 dias, começou atrasada em 47 ocasiões e saiu mais cedo em 29 expedientes.

Segundo informações obtidas pelo site News.com, a empresa alegou que ela teve "baixa atividade de teclas pressionadas" nos dias em que esteve conectada e a quantidade de digitação e "não apresentou o trabalho como requisitado", com uma média de 54 teclas apertadas por hora.

Foto: (Imagem: Reprodução/ Glenn Carstens-Peters/Unsplash) / Canaltech

Pedido de apelação foi negado por órgão trabalhista

Suzie Cheikho recorreu da decisão para o Fair Work Commission, ou FWC ("Comissão de Trabalho Justo", em tradução livre). A consultora, que trabalhou por 18 anos na empresa, alegou não acreditar na veracidade dos dados. De acordo com os documentos obtidos pelo FWC, ela disse a seus coordenadores que "às vezes a carga de trabalho é baixa, mas nunca deixei de trabalhar. Posso ir às compras às vezes, mas isso não dura o dia todo".

Em comunicado ao órgão, Cheikho disse que "não consegue lembrar por que ou como [os números] estão baixos" e reforçou problemas pessoais: "passei por diversas situações que causaram um declínio em minha saúde mental e infelizmente acredito que isso afetou minha performance e meu trabalho".

Publicidade

O FWC negou a apelação e considerou a demissão justa. Segundo a comissão, a ex-funcionária não apresentou provas necessárias de que estava online e trabalhando para contrariar o relatório.

Fonte: News.com

Trending no Canaltech:

Curtiu? Fique por dentro das principais notícias através do nosso ZAP
Inscreva-se