É descoberta idade do Campo Magnético da Terra: 3,7 bilhões de anos

Ao estudar rochas da Groenlândia, inalteradas desde a sua formação, geólogos conseguiram determinar quando o Campo Magnético da Terra teria sido formado

24 abr 2024 - 21h57
(atualizado em 25/4/2024 às 11h51)

Pesquisadores das Universidades de Oxford, Massachusetts e outras instituições pelo mundo descobriram as evidências mais antigas e claras da formação do campo magnético da Terra — elas indicam que o fenômeno teria sido gerado no primeiro bilhão de anos do geoide. Resta saber se isso ocorreu junto à formação do planeta ou logo após o evento.

Foto: Claire Nichols / Canaltech

Segundo a ciência, o campo magnético da Terra teria sido essencial para o nascimento e manutenção da vida, já que protege a superfície da radiação solar excessiva.

Publicidade

Planetas como Júpiter podem ter campos parecidos, mas não se sabe o quão comum eles são em mundos rochosos, como o nosso — se eles forem raros ou fracos por natureza, isso significaria que a vida é rara na galáxia, ou, ao menos, a vida complexa.

A origem do campo magnético da Terra

Para descobrir os segredos da formação do campo em nosso planeta, geólogos estudam rochas, já que elas podem guardar evidências do passado na orientação das partículas de ferro em seu interior.

Claire Nichols e Tim Greenfield perfurando as rochas groenlandesas para estudar a formação do Campo Magnético da Terra (Imagem: Claire Nichols)
Foto: Canaltech

O problema é que tais partículas podem ter sido reordenadas caso as temperaturas tenham ficado altas demais desde então. Resta, então, buscar as pedras inalteradas mais antigas o possível. Elas foram encontradas no Cinturão Supracrustal Isua, no oeste da Groenlândia, especialmente difícil para pesquisas de campo.

Nas rochas locais, partículas de magnetita se alinham na direção do campo magnético como as partículas de ferro em um ímã moderno — segundo Claire Nichols, autora principal da pesquisa, essas evidências são da formação original do campo. Isso foi comprovado por análises laboratoriais das amostras coletadas na região.

Publicidade

As rochas groenlandesas teriam atingido os 550 ºC há 3,69 bilhões de anos, e não passaram dos 380 ºC desde então. A parte nordeste do Cinturão é incomum, talvez única, segundo os cientistas, já que está assentada sobre a crosta continental em uma região onde ela é espessa o suficiente para proteger as rochas de atividade vulcânica comum a outros lugares. 

Sabemos que o campo magnético da Terra é causado pelos movimentos do núcleo magmático terreno, como um dínamo, mas não há como saber com certeza se eles começaram antes da formação do núcleo sólido ou depois. As rochas do estudo sugerem ter sido antes, já que o núcleo interno parece ser mais jovem — talvez até mesmo mais jovem do que a vida multicelular.

Fonte: JGR Solid Earth

Trending no Canaltech:

É fã de ciência e tecnologia? Acompanhe as notícias do Byte!
Ativar notificações