Doenças que voltaram

Raiva:

Contágio:
A transmissão ocorre quando a pessoa tem contato com os animais infectados, principalmente, em casos de arranhões, mordidas ou lambidas. Uma característica da doença é o aumento da agressividade no animal, o que pode provocar ataques a humanos e novas transmissões. O vírus pode ficar encubado de três semanas a dois anos.

Sintomas:
Tanto em humano, como em animais, é caracterizada pelo aumento da agressividade e a perda do sentimento de medo. No local da infecção pode ocorrer inchaço, dor ou anestesia. A doença causa inflamações no cérebro (encefalite) e danos no sistema nervoso. A pessoa infectada apresenta espasmos musculares, ansiedade extrema, convulsões, dificuldade de engolir e medo de líquidos (hidrofobia).

Tratamento:
Ao ser agredida por um animal, a pessoa deve lavar o ferimento com água e sabão e procurar o serviço de saúde imediatamente para tratamento. Em seguida, deve receber vacina e soro. Nos casos que a doença se agrava, o paciente é sedado.

Gravidade:
A raiva é uma doença letal em quase 100% dos casos. Ela é transmitida ao ser humano por meio de animais domésticos e selvagens como cães, gatos, macacos e morcegos.

Prevenção:
A forma mais eficaz no combate a transmissão da doença ao ser humano é a vacinação de cães e gatos. A vacinação em humanos pode ser indicada em profissões onde existe grande risco de contágio. Em caso de agressão por cães e gatos, os animais devem ser isolados por dez dias para observação do surgimento de sintomas da doença. Se o animal morrer, as autoridades de saúde devem ser informadas.

Terra