0

Festas de fim de ano: "Vamos tropicalizar o cardápio do Natal"

22 dez 2017
11h33
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Na noite de Natal, as famílias se reúnem em torno de uma mesa farta de produtos tipicamente europeus, indicados para os dias mais frios do ano já que é outono no hemisfério norte. Foram os portugueses e depois os italianos que trouxeram essa tradição da carne de porco, do peru, bacon, salames e presuntos, entre outros, sem levar em conta que aqui no Brasil o Natal ocorre em pleno verão, com temperaturas que por vezes beiram os 40 graus em várias regiões do país. É a herança cultural interferindo diretamente na saúde dos brasileiros. Esses alimentos pesados e gordurosos podem causar diabetes, doenças cardiovasculares e levar a um aumento nos índices de mortalidade precoce. Então, como comer sem culpa e evitar os riscos para o coração?

Foto: DINO

O cardiologista Paulo Frange propõe um cardápio natalino que esteja mais de acordo com a nossa realidade climática, 
"alimentos como o salmão e as leguminosas ajudam a reduzir e manter a pressão arterial. Frutas, sucos e muita água completam o que seria uma mesa tropical, repleta de produtos que são obrigatórios numa ceia saudável", explica.

Uma pesquisa feita no Brasil pela Vigitel, um sistema de vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas, apontou que a obesidade no país cresceu 60% em dez anos. A porcentagem de indivíduos obesos pulou de 11,8% para 18,9%, isso quer dizer que um em cada cinco brasileiros está acima do peso. A consequência é o aumento de doenças crônicas e metabólicas e de alta morbidade, como o diabetes que foi de 5,5% para 8,9% e a hipertensão arterial de 22,5% para 25,7%. Segundo o Ministério da Saúde, a obesidade custa ao Sistema Único de Saúde (SUS) quase R$ 500 milhões por ano.  
  
"É um cenário desanimador que precisa mudar. E essa mudança passa pela adoção imediata de hábitos saudáveis, como mudar o cardápio da ceia, por exemplo. É preciso que todos se conscientizem que precisamos erradicar essa doença e,  desde a infância, com uma série de medidas que possam atacar a obesidade em várias frentes", afirma o Dr. Paulo Frange

Sobre o Cardiologista Paulo Frange  
  
Nascido em Uberaba, Minas Gerais, Dr. Paulo Frange é médico cardiologista tendo iniciado a carreira no Instituto Dante Pazzanese e durante 15 anos foi diretor clínico do Centro Hospitalar Dom Silvério Gomes Pimenta, atual Hospital São Camilo de Santana, o maior complexo hospitalar da Zona Norte de São Paulo.

Veja também:

Choque apreende veículo com sinais de adulteração, no Claudete
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade