Clique para ver a capa ampliada
EDIÇÃO 134
 CAPA
 ÍNDICE
 Exclusivo Online
 BATE PAPO
 GALERIA DE FOTOS
 JOGOS E TESTES
 MULTIMÍDIA
 QUIZ
 SEÇÕES
 ACONTECEU
 BASTIDORES
 CELEBRIDADE
 DIVERSÃO & ARTE
 ENTREVISTA
 ESTILO
 EXCLUSIVAS
 IMAGENS DA SEMANA
 INTERNET
 MODA
 MUNDO
 QUEM SOU EU?
 REPORTAGENS
 URGENTE
 SERVIÇOS
 ASSINATURAS
 ASSINE NEWSLETTER
 EDIÇÕES ANTERIORES
 ESPECIAIS
 EXPEDIENTE
 FALE CONOSCO
 PUBLICIDADE
 BUSCA

 

 

– Exclusivo Online 06/03/2000 

Drama
Chega ao fim a luta de Mário Covas contra o câncer

Carla França

Foto:Piti Reali
Mário Covas: vencido pelo câncer

Após nove dias de internação, o governador de São Paulo Mário Covas, de 70 anos, não resistiu e morreu às 5h30 desta terça-feira de falência múltipla dos órgãos. No dia 25 de fevereiro, Covas passou mal em sua casa de veraneio em Bertioga, litoral de São Paulo, e foi levado às pressas ao Incor.

O estado de saúde do governador era considerado gravíssimo pela equipe médica chefiada pelo infectologista David Uip. Desta vez, Covas apresentava trombose venosa e infecção grave disseminada pelo organismo. Os médicos já sinalizavam a possibilidade de o quadro caminhar para falência múltipla dos órgãos.

Por conta disso, a pedido de Covas, a equipe médica o transferiu da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para o quarto, onde poderia ficar junto da família. Na seqüência, ele ainda sofreu convulções, teve edema pulmonar e pneumonia, impossibilitando ainda mais a continuidade do tratamento contra o câncer.

Na segunda-feira, em coletiva realizada no Incor, a equipe médica anunciou que a batalha estava chegando ao fim. O filho Mário Covas Neto, o Zuzinha, e a filha Renata estavam no hospital quando foi anunciada a morte do governador. Dona Lila, esposa do governador, havia deixado o Incor na noite de segunda-feira.

O corpo de Mario Covas está sendo velado, desde o meio-dia, no salão nobre do Palácio dos Bandeirantes e será aberto ao público. O sepultamento será em Santos, cidade natal de Covas, no cemitério de Paquetá, ao meio-dia.

O presidente Fernando Henrique Cardoso, amigo e companheiro político, decretou luto oficial no País por sete dias. Milhares de pessoas se aglomeraram em frente do Incor para dar o último adeus ao governador. Mais de 7 mil pessoas participaram do velório. Do senador baiano Antonio Carlos Magalhães ao adversário político desde a Politécnica de São Paulo, Paulo Maluf, passando pelo apresentador do SBT Gugu Liberato e o humorista Tom Cavalcanti, além dos ministros da Saúde, José Serra, e da Educação, Paulo Renato de Souza, como a prefeita Marta Suplicy e o marido Eduardo Suplicy, entre outros.

A chegada do presidente Fernando Henrique estava prevista para às 19 horas. Do aeroporto, FHC seguiria direto para o Palácio dos Bandeirantes, onde o cardeal arcebispo de São Paulo, d. Claudio Hummes celebraria uma missa de corpo presente. FHC anunciou que vai ao enterro do governador em Santos.

Covas, que era um dos nomes fortes do PSDB para a corrida presidencial de 2002, lutava contra o câncer desde 1998, quando foi submetido a uma cirurgia para a retirada de um câncer na bexiga e um tumor benigno na próstata.

Saiba mais sobre a vida e a doença do governador Mario Covas

A trajetória de Covas

A luta de Covas contra doença

Dona Lila, uma companheira na saúde e na doença

Comente esta matéria




Búzios
Quiromancia
Horóscopo chinês
Altar Virtual
Cartomancia
Novo Tarô
Biscoito da sorte
Realejo
Bola 8
Par perfeito
I-Ching
Runas
Vidente
Numerologia
Horóscopo
 
ENQUETE
Você acha que o senador Eduardo Suplicy e Ana Miranda formam um bom casal de namorados?
:: VOTAR ::
 
FÓRUM
A segunda versão de Casa dos Artistas entrou no ar e, mais uma vez, arrasou a audiência da Globo. Qual é o segredo de Silvio Santos?
 
CHAT
Nome (até 20 caracteres):
Escolha uma sala

| ISTOÉ | DINHEIRO | PLANETA | ISTOÉ DIGITAL |
EDIÇÕES ANTERIORES | ESPECIAIS |
| ASSINE A NEWSLETTER | ASSINATURAS | EXPEDIENTE | FALE CONOSCO | PUBLICIDADE | AVISO LEGAL
© Copyright 1999/2002 Editora Três