- Anuncie
- Assine

   
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Ela decide que Dior o Brasil vai vestir
Rosangela Lyra é o olho da lendária marca francesa no País há 25 anos, muito antes de se tornar sogra do jogador Kaká. No showroom parisiense, dois dias após o último desfile de John Galliano, Gente acompanhou as compras da diretora da Dior Brasil, eleita vice-campeã em atendimento entre 200 lojas no mundo

Texto e Fotos Gisele Vitória, de Paris

Rosangela Lyra na loja da maison Dior em plena Avenue Montaigne, em Paris

NO QG DA DIOR EM PARIS, na esquina da François 1er com Avenue Montaigne, prestigiado 8o Arrondissement, dois dias costumam ser suficientes para Rosangela Lyra escolher tudo o que levará para o Brasil das novas criações do estilista John Galliano. Muito antes de tornar-se sogra do jogador Kaká, há mais de duas décadas Rosangela é o olho (a voz e o braço) da lendária maison francesa no País. Isso quer dizer: há 25 anos, é ela quem decide que Dior o Brasil vai vestir. Nesta última temporada, dois dias após o desfile, a poderosa diretora da grife debruçou-se sobre a coleção primavera-verão 2011 no imenso showroom parisiense, e, de lista em lista, decidiu o que comprar para a loja da marca na rua Haddock Lobo, nos Jardins, em São Paulo. Decidiu também o que dispensar do variado leque de invenções artísticas em forma de roupas, bolsas, sapatos, óculos, brincos e colares.
Os olhos oblíquos e treinados da bela madame Lyra são rápidos para decidir. Costuma acertar tanto nas escolhas do que agrada às brasileiras que a Dior Brasil foi eleita vicecampeã numa recente pesquisa da grife de avaliação das suas 200 lojas no mundo, divulgada no inicio do mês. A marca teve licença para vender no Brasil em 1959, mas a loja existe há 11 anos. Segundo a pesquisa de cliente oculto ("Mystery Shopping"), a Dior Brasil atingiu o percentual 89/100 pontos, registrando o segundo lugar internacional de melhor atendimento, consultoria de moda, visual e pós-venda. Na visão da consumidora nacional, a loja tem uma edição de peças que não se encontra fácil fora do País. "Nenhum país leva 100% da coleção", diz ela, que gerencia a filial da Dior há 11 anos, diferentemente de outros países que têm franquias. Significa que o que se leva para o Brasil pode não ser enxergado necessariamente na profusão de opções da grife mundo afora. "Muita gente me diz que às vezes não consegue achar em outros países as peças Dior que encontra em São Paulo", diz Rosangela, que também preside a associação de lojistas do bairro dos Jardins em São Paulo.

PÁGINAS :: 1 | 2 | 3 | Próxima >>
   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS