- Anuncie
- Assine

   
 
Televisão // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Como nascem os gângsteres
Produção do HBO retrata o surgimento do contrabando nos Estados Unidos durante a proibição da venda de bebidas alcoólicas nos anos 20

Por Aina Pinto

 

Fotos DIVULGAÇÃO
A história conta como a proibição alimentou a corrupção política e aumentou a violência

★★★★ SÉRIE

Fotos DIVULGAÇÃO

STEVEN SPIELBERG E TOM HANKS já se uniram como produtores de uma minissérie exibida no HBO, The Pacific. Seguindo a linha de associar o canal a nomes importantes, agora é a vez de Terence Winter, criador de The Sopranos, e Martin Scorsese se associarem em Boardwalk Empire – O Império do Contrabando, com estreia no domingo 17, às 22h, tendo Winter como roteirista e Scorsese como diretor do primeiro episódio e produtor.

A série se passa nos anos 20, em Atlantic City, no momento em que a venda de bebidas alcoólicas é proibida nos Estados Unidos. Enoch “Nucky” Johnson (Steve Buscemi) é tesoureiro da cidade, discursa sobre moral e bons costumes, mas, nos inferninhos que frequenta, negocia a venda de bebidas com políticos e outros homens – ali, o motorista de um deles, um jovem e desconhecido Al Capone (Stephen Graham), vê a oportunidade de ganhar dinheiro e ser poderoso. Nucky também tem um protegido, Jimmy (Michael Pitt), que após a faculdade foi lutar na Primeira Guerra e, quando volta, também quer ter dinheiro e ser “respeitado”. Como o político o trata como empregado, ele resolve agir por conta própria.

Boardwalk Empire foi a maior audiência de estreia do HBO desde Deadwood, de 2004. Com ótimo elenco, tem um protagonista dúbio, capaz de se comover com bonecas que parecem bebês e com uma mulher grávida que apanha do marido bêbado. E o cartão de visitas do primeiro episódio não poderia ser melhor, com a assinatura de Scorsese, recorrendo a seus longos planos, muita pancadaria e uma “visão poética” da morte (uma delas, em que ele explora imagens espelhadas quando o personagem ouve Caruso numa vitrola, é digna de cinema).

A série, além de personagens bem construídos, mostra como as coisas fugiram do controle com a proibição de bebidas alcoólicas, que, inicialmente, seria para resolver um problema social e proteger mulheres “que perdiam seus maridos para a bebida”, como diz o próprio Nucky em um discurso. A ilegalidade acabou virando um problema em outra esfera, fortalecendo uma economia paralela e ilegal e aumentando a violência. A partir daquela situação dos anos 20 – e com uma bela reconstituição de época – a produção discute tráfico, hipocrisia e corrupção.

(16 anos)

 

 

   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS