- Anuncie
- Assine

   
 
Música // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Gal Costa Barato total
Aos 65 anos, a cantora volta aos palcos brasileiros, prepara CD em parceria com Caetano Veloso, define o momento atual como "feliz" e se encanta com fãs que coleciona na internet

Por Aina Pinto

DIVULGAÇÃO

Há cantores que dizem ouvir pouca música quando não estão trabalhando. Você gosta? O que costuma ouvir?
Ouço as músicas com as quais estou trabalhando. Mas não ouço muita, não.

O que há de melhor e de pior em ter mais de 60?
Não há nada de ruim. Na vida, nunca temos tudo! Tudo é bom e também difícil. Eu gosto de ter a minha idade. Me trouxe sabedoria para enfrentar a vida.

Há quem lhe cobre uma postura rebelde, como no início da carreira. Como se sente em relação a essa cobrança?
Minha história está escrita e há ainda muito o que fazer. Acho uma tolice e uma burrice cobrarem esse tipo de coisa. Rebeldia pode significar muitas coisas e eu ainda sou uma rebelde à minha moda.

Dos tempos de início de carreira, do que mais sente saudade?
Não sou saudosista. Nem um pouco. Gosto de viver o presente e pensar no futuro.

Como é sua relação, hoje, com Gilberto Gil, Caetano e Maria Bethânia?
Tenho estado perto de Gil e Caetano. Sempre foi assim. De Maria Bethânia tenho estado afastada. Não a tenho visto ultimamente.

Qual sua maior vaidade? Ter feito história na música, a beleza, a voz, os rumos que deu a sua vida, sua carreira? O que a deixa orgulhosa?
Acho que um pouco de tudo, mas, principalmente, ter sido verdadeira. Nasci para cantar. Isso foi o que sempre quis e o que quero sempre.

E arrependimento?
Nenhum.

Como vê a presença de jovens nos seus shows, ou acompanhando seus perfis no Twitter e no Facebook? E como se sente com o interesse deles por seus primeiros discos? O que acha que chama a atenção deles?
É maravilhoso. Fico impressionada com a quantidade de jovens que conhecem meu trabalho, não somente o da fase tropicalista. Isso é espetacular! Eles costumam dizer no Twitter que cantoras brasileiras podem ser classificadas em “antes e depois da Gal Costa”. Acho que é pela riqueza do meu trabalho, pelas diferentes fases por que passei. E também pelo estilo do meu canto.

Tem ideia de quantos “boa noite” recebe no Twitter e no Facebook?
São vários e adoro isso. Sou o que sou na internet. Gosto de ser delicada com todos os que gostam de mim.

No Facebook, você joga Farmville. E já contou no Twitter que também joga Xbox. Gosta de jogos? Tem algum preferido? É boa jogadora ou do tipo que nunca chega à última fase?
No Facebook, jogo Farmville e Cafe World. Adoro! E jogo Xbox com meu filho. Adoro esses joguinhos e também assisto com meu filho a todos os desenhos que compro pra ele. Amo!

Também no Twitter, você costuma contar das brincadeiras com seu filho, do que tem feito e, agora, da volta aos palcos. Parece um momento feliz, tranquilo. É isso mesmo? Algum motivo especial?
Momento feliz, sim! Trabalho novo, tesão em cantar, filho lindo que tenho. A vida é muito boa!

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2
   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS