- Anuncie
- Assine

   
 
Reportagens // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Semana de Moda NY
Este é o Tommy Hilfiger
O homem por trás do nome que virou ícone do estilo de vida americano acaba de celebrar 25 anos de sua grife. Ele conversou com Gente sobre o mercado fashion, celebridades e a sua relação com o Brasil

RICHARD PHIBBS

OS ATORES JENNIFER LOPEZ E BRADLEY COOPER e o cantor Lenny Kravitz foram só alguns dos convidados do badalado desfile que celebrou os 25 anos da marca Tommy Hilfiger no domingo 12, em Nova York. Na passarela, um universo de clássicos do estilista, como camisetas pólo, trench coats, ternos azuis-marinhos e as estampas em xadrez. Após o desfile, Tommy celebrou a data com uma superfesta que ocupou os quatro andares da Metropolitan Opera House, com direito a show da banda de rock The Strokes.
Na terça-feira 14, o estilista recebeu Gente em sua loja na 5a Avenida, vestido de maneira sóbria, não fosse por um detalhe: a lapela da camisa era vermelha. Uma das cores mais usadas pela marca estava lá para definir o estilo de Mr.Hilfiger. “Minha moda é assim, atende a todas as idades”, explicou o senhor de 59 anos com os cabelos brancos impecavelmente penteados.

O estilo da marca Tommy Hilfinger é clássico e tradicional. Por que escolheu a banda The Strokes, que é superalternativa, para tocar na sua festa?
Quis uma banda que fosse de um universo jovem e eles são assim. Gosto do som do Strokes e do estilo dos meninos da banda.

Jennifer Lopez e Lenny Kravitz estavam na primeira fila de seu desfile. É este o perfil do novo público que consome sua marca? O que Jennifer poderia vestir desta coleção?
Quero fazer uma moda clássica e cada vez melhor. Jennifer, como qualquer outra consumidora americana, procura isso. Todos os nossos convidados são consumidores da marca.

Depois da crise, algumas grifes resolveram ser menos criativas e investir em uma moda mais comercial. Como o senhor vê essa mudança?
Eu penso que a mudança ocorreu no modo de criar uma coleção. Na Espanha, por exemplo, como no Brasil, todos gostam de cores fortes. Já aqui em Nova York, as pessoas preferem cores neutras e mais sofisticadas. Temos que pensar como uma empresa global.

Já esteve no Brasil? O que acha do estilo de se vestir dos brasileiros?
Conheço o Rio de Janeiro, que tem um astral extraordinário. Percorri a cidade e as praias do Leblon e Ipanema com todas aquelas cores lindas e um sol intenso. Já estive por lá várias vezes. Não conheço estilistas do Brasil, mas acho que vocês têm essa forma despretensiosa de se vestir que me parece muito interessante. Queremos investir mais no Brasil, como todas as grandes empresas de moda.

 

   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS