- Anuncie
- Assine

   
 
Teatro // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Encanto que sobrevive ao tempo
Soraya Ravenle brilha em musical que evoca com competência as áureas décadas do samba

Daniel Schenker Wajnberg

 

Fotos LEO AVERSA/DIVULGAÇÃO
Cena que reúne todo elenco de É Com Esse Que Eu Vou

 

★★★ MUSICAL

Fotos LEO AVERSA/DIVULGAÇÃO
Soraya Ravenle brilha ao lado de Marcos Sacramento, Afredo Del-Penho e Pedro Paulo Malta

Os atores/cantores de É Com Esse Que Eu Vou, espetáculo que perpetua a parceria entre os diretores Charles Möeller e Claudio Botelho e os pesquisadores Sérgio Cabral e Rosa Maria Araújo depois da bem-sucedida experiência de Sassaricando, dão vida a tipos genuinamente brasileiros enquanto entoam mais de 80 sambas. Num determinado momento, porém, anunciam as entradas em cena uns dos outros pelos próprios nomes. Talvez porque se trate de um formato de musical (que, em relação à trajetória da dupla Möeller/Botelho, remete, evidentemente, à Sassaricando e um pouco a Tudo é Jazz) no qual os artistas oscilem entre a interpretação e a presença em primeira pessoa, destituída de personagem. Neste trânsito, Lilian Valeska, Beatriz Faria, Alfredo Del-Penho, Marcos Sacramento, Makley Matos e Pedro Paulo Malta despontam como donos de belas vozes, além de executar com competência todas as suas funções, mas não revelam personalidade cênica tão intensa quanto à de Soraya Ravenle.

O olhar encantado lançado por É Com Esse Que Eu Vou em relação ao Rio de Janeiro, apesar de todas as mazelas, é realçado pelo glamour dos cassinos, atmosfera destacada na cenografia de Rogério Falcão, que privilegia a combinação de preto e dourado. As cores são mescladas às tonalidades intensas que preenchem a tela ao fundo do palco (iluminação de Paulo Cesar Medeiros). Os figurinos (a cargo de Ney Madeira, Dani Vidal e Pati Faedo) revelam-se expressivos nas misturas de retalhos, listras e estampas que compõem blazers, calças, coletes e saias. Realizado com a esperada competência, o espetáculo tem seus melhores momentos nas marcações discretas e intimistas do elenco, durante parte do segundo ato.
(Livre)

Teatro Oi Casa Grande – Av. Afrânio de Melo Franco, 290, Rio,
Tel. (21) 2511-0800. Até 10/12.

 

   


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS