- Anuncie
- Assine

   
 
Música // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


A jogada do mestre Simonal
Inédito no Brasil, o disco lançado pelo cantor há 40 anos mostra seu auge e a fase de transição para o soul

Mauro Ferreira

 

Fotos DIVULGAÇÃO
Pelé e Simonal, que gravou disco no México no ano em que a Seleção conquistou o tricampeonato Mundial

★★★★★ MPB

EM 1970, a carreira de Wilson Simonal (1938 – 2000) havia atingido o auge da popularidade no Brasil. Tão conhecido quanto Pelé e Roberto Carlos, o primeiro popstar negro do país foi convocado para ir ao México fazer shows numa tabelinha com a Seleção Brasileira que conquistou o tricampeonato mundial naquele ano. Resulta dessa época o disco México 70, lançado no país que sediava a Copa. Inédito no Brasil, o álbum ganha sua primeira edição nacional. O disco é joia que merecia sair do baú, pois flagra Simonal em processo de transição para o soul, como atestam faixas como “Ave Maria no Morro”, em releitura demolidora que evoca o balanço negro das gravações da Motown, e “Crioula”.

Com 12 faixas gravadas em quatro idiomas (português, italiano, espanhol e inglês), México 70 foi, a rigor, um lance certeiro para arrematar a jogada mais ambiciosa de Simonal naquele momento: a investida no mercado internacional. O cantor já vinha lançando compactos na Itália e arquitetava um contrato com a gravadora A&M Records para se consolidar na cena estrangeira. Mas, em 1971, um lance infeliz de consequência política tirou Simonal de campo no Brasil e no Exterior.

Até pouco tempo desconhecido mesmo pelos filhos do artista, Max de Castro e Wilson Simoninha, México 70 resiste esplendidamente ao tempo. No seu melhor momento como cantor, Simonal imprimiu seu suingue ímpar em temas como “Aqui É o País do Futebol” (Milton Nascimento e Fernando Brant) e “Kiki” (parceria dele com Nonato Buzar). E é justo reconhecer o mérito de César Camargo Mariano, com seus arranjos estupendos, executados com maestria pelo Som Três. É nessa cama leve que Simonal deitou e rolou ao gravar em inglês dois clássicos do maestro Burt Bacharach, “Raindrops Keep Falling on my Head” e “I’ll Never Fall in Love Again”, e ao experimentar versão em espanhol de “Aquarius”. Wilson Simonal era campeão em 1970.

 

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS