- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Elas por elas
A diretora Sandra Werneck e a jornalista Eliane Trindade conhecem de perto a história de meninas que se prostituem para sobreviver. Essa realidade pode ser conferida em Sonhos Roubados, filme de Sandra baseado em livro de Eliane

Marina Monzillo

Foto Divulgação
Kika Farias, Amanda Diniz e Nanda Costa vivem Sabrina, Daiane e Jéssica no longa-metragem

Como foi o contato entre vocês durante o processo de produção de Sonhos Roubados?
Sandra Werneck A Eliane acompanhou toda a adaptação. A cada tratamento, eu mandava o roteiro para ela.
Eliane Trindade Desde o começo, acreditei no projeto da Sandra. E tive de me acostumar que não era um documentário, era ficção. Isso foi um aprendizado para mim.
Sandra A Eliane até sugeriu cenas.

Por exemplo?
Sandra Ela achava que o Ricardo (o namorado presidiário da personagem principal, vivido por MV Bill) estava muito bonzinho, que ele era mais possessivo. E sugeriu incluir a carta escrita com sangue que ele teria mandado para a Jéssica, dizendo: "Olha lá, segura a tua onda, você é minha".

Sandra, você tinha abordado o tema da gravidez na adolescência no documentário Meninas, de 2006, como foi fazer isso na ficção?
Sandra O documentário não era tão amplo. Em Sonhos Roubados, tive de falar sobre aquele universo sem ser vulgar. Porque é um passo para cair nisso, criar polêmica... E todo mundo que vê o resultado diz que é um filme de mulher. Até acho que um homem pode ter um olhar feminino, mas, neste caso, o fato de Eliane e eu sermos mulheres fez toda a diferença.
Eliane A Sandra segurou bem a mão. no livro, eu deixo as meninas falarem mais. a sandra teve distanciamento.
Sandra Porque se você pesa demais, tem a tendência de pesar para o bem ou para o mal. Fica maniqueísta.
Eliane O interessante é que as meninas nunca se colocam no papel de vítimas, não se lamentam
Sandra Sabe, não as vejo como prostitutas. são garotas que, para sobreviver, eventualmente fazem programas. elas não vão toda noite para o ponto ou têm cafetão.

No filme, as garotas fazem coisas moralmente erradas, mas são amorosas, carinhosas, inclusive entre elas...
Sandra
A solidariedade é uma coisa com a qual a classe média não está mais acostumada. e, no caso das meninas, como elas não têm famílias estruturadas, uma conta com a outra.
Eliane
Elas criaram uma rede de proteção. Uma deixa a outra de guarda, do lado de fora, enquanto está fazendo programa.

Quais as principais diferenças entre o livro e o filme?
Eliane
A dolores (personagem da Marieta Severo que fica amiga e ajuda uma das adolescentes) era cobradora de ônibus e não cabeleireira.
Sandra
Eu criei a dolores também porque existia todo um papel das ONGs na vida dessas garotas e eu não queria me envolver nesse universo, porque é uma coisa complicadíssima. Teria de pedir autorizações, ouvir opiniões...então, essa mulher fez o papel de protetora da daiane, que denuncia os abusos que ela sofre.

<< Anterior | 1 | 2 | 3 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS