- Anuncie
- Assine

 
 
 
Estilo // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


casa
O apartamento do artista
Com janelas abertas para a avenida Paulista, a casa do artista plástico Macaparana é uma impactante galeria particular, fruto da curadoria afetiva de um mestre

Silviane Neno / fotos Marcelo Navarro/Ag. IstoÉ

No sala principal, as obras tomam as paredes. Cadeiras de palhinha dos anos 50, do movimento Branco e Preto. Na foto menor, os bancos são de um barco antigo. Os quadros são de Macaparana

Na década de 1970, o marchand e então diretor do Museu de Arte de São Paulo (MAS P), Pietro Maria Bardi, comunicou a um jovem artista recém-chegado de Pernambuco que o cartaz da sua primeira exposição individual, e portanto de sua estreia no mundo das artes em São Paulo, estava pronto. Chegando ao MAS P, José Linhares se deparou com o anúncio da mostra de... Macaparana. Surpreso, Linhares perguntou a Bardi por que havia trocado o nome dele pelo da cidade onde nascera em Pernambuco. A resposta foi rápida: “Porque é mais sonoro. José Linhares parece nome de padeiro”, e encerrou a conversa.

Trinta anos depois, Linhares não só se acostumou com a identidade de Macaparana, como a adotou e com ele é hoje um dos grandes nomes do universo da arte contemporânea no Brasil. Há oito anos, ele mora pertinho do museu onde essa história começou. O apartamento de 200 metros quadrados fica num prédio dos anos 50 do arquiteto Abelardo Reydi de Souza, na avenida Paulista, de frente para o burburinho da cidade e a poucos passos de onde funciona seu ateliê. Depois de morar durante muitos anos no lugar onde trabalhava, Macaparana decidiu mudar porque muitas vezes as coisas se confundiam. “Os clientes queriam comprar peças da minha coleção particular e era difícil dizer que não estavam à venda”, afirma. Assim, ele pôs no caminhão de mudanças tudo o que resolveu chamar de seu. E olha que a coleção é de cair o queixo. Espalhadas por todas as paredes (todas mesmo), pintadas de branco, estão obras de Willys de Castro, Volpi, Mira Schendel, Barsotti e muitos outros, além de edições especiais de peças suas. Muitas são fruto de trocas com outros amigos, todos artistas.

 

1 | 2 | 3 | Próxima >>



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS