- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


AVENTURA
O capoeirista voador
Sobra beleza e falta emoção na história de Besouro, figura lendária do Recôncavo Baiano

Os efeitos especiais e a fotografia são o forte do longa-metragem

NO INÍCIO DO SÉCULO 20, um jovem capoeirista fez história na região do Recôncavo Baiano por lutar contra a opressão aos negros, que persistia após a abolição da escravatura. Seu nome era Manoel Henrique Pereira e suas proezas o transformaram no lendário Besouro. O diretor de publicidade João Daniel Tikhomiroff pensou grande quando decidiu estrear como cineasta com essa fábula de amor e aventura.

Chamou ninguém menos que o coordenador de artes marciais responsável pelas fantásticas lutas de O Tigre e o Dragão. Mas se a fotografia e os efeitos - com direito à técnica chinesa dos cabos - são caprichados, a narrativa e as atuações são estéreis. O enredo transita entre a realidade e a fantasia enquanto Besouro vira superherói com a ajuda dos orixás.

O fazendeiro e o capataz não assustam como vilões, e o triângulo amoroso que poderia tornar um amigo de infância seu antagonista também não convence. Essa apatia emocional é fruto da inexperiência, tanto do elenco amador quanto do diretor, que tem de aprender que, em cinema, belas imagens não bastam.
(14 anos) Suzana Uchôa Itiberê

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS