- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


DRAMA
O gigolô Ashton Kutcher
Marido de Demi Moore explora sua face sedutora em cenas quentes no filme Jogando com Prazer

Foto DIVULGAÇÃO
Ator encarna um amante profissional que seduz a personagem de Anne Heche

OS ANOS 70 TIVERAM WARREN BEATTY em Shampoo. Nos 80, Richard Gere destilou charme em Gigolô Americano. E nos 90, Rob Schneider fez humor com a profissão em Gigolô por Acidente. O amante profissional do novo milênio tem voltagem erótica mais alta que os antecessores, além do corpo esculpido de Ashton Kutcher.

O marido de Demi Moore surgiu como o abobado Kelso da série That '70s Show e se firmou em comédias pastelão como Cara, Cadê Meu Carro? e românticas, como Recém-Casados. Em Jogando com Prazer, o ator investe no drama. E faz bonito. Seu personagem é um Don Juan de Hollywood. A última conquista é uma advogada carente (Anne Heche) que paga os favores sexuais com casa, comida e roupa lavada.

Maravilha, até ele se apaixonar por uma jovem que nada mais é que sua versão feminina. As cenas de sexo são ousadas, pena que o enredo não acompanhe o pique. A trama apela ao clichê do feitiço que se vira contra o feiticeiro, e o diretor David Mackenzie perde a chance de lançar um olhar incisivo sobre a cobiça na cidade dos sonhos.
(16 anos) Suzana Uchôa Itiberê

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS