- Anuncie
- Assine

 
 
 
Livros // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


ROMANCE
As dores do homem sob o prisma da poesia
O luto, o amor e o renascimento pela inventiva escrita de Mia Couto

Fotos DIVULGAÇÃO
O moçambicano é autor engajado que fala das mazelas de seu povo

O MOÇAMBICANO MIA COUTO é um ourives das palavras. Terra Sonâmbula, O Último Voo do Flamingo, cada obra sua é uma peça delicadamente lapidada. Couto é autor engajado e permeia as histórias com a guerra civil que assolou sua terra natal. Não são poucas as mazelas dessa gente que sobrevive na savana africana. O olhar por sobre seus iguais, contudo, vem embebido de lirismo. Antes de Nascer o Mundo (Companhia das Letras, 280 págs., R$ 42) é uma trama de miudezas, em que os pormenores abundam em significados. Jerusalém é um isolado vilarejo onde vivem Silvestre Vitalício, os filhos, Mwanito e Ntunzi, um tio dos meninos e um serviçal.

Vitalício prega que o mundo acabou e que a mulher - qualquer uma - é a desgraça dos homens. Os garotos acolhem as ordens do pai, mas nem toda negação do passado lhes interdita a lembrança da mãe, Dordalma, morta em misteriosas circunstâncias. A pacata rotina desse clã masculino será abalada por outra figura feminina, Marta. Em uma narrativa dominada por homens, sobra lisonja no poderio que o autor confere a essa personagem simples, porém fundamental.
Suzana Uchôa Itiberê

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS