- Anuncie
- Assine

 
 
 
Música // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Kleiton & Kledir em versão 2009
Há 23 anos sem lançar disco com repertório inédito, a dupla apresenta 13 músicas novas em Autorretrato, trabalho de estúdio editado nos formatos de CD e DVD. Na faixa-título, os irmãos gaúchos celebram sua amizade ao mesmo tempo em que reforçam com humor suas diferenças:

Os irmãos gaúchos se reuniram novamente há mais de dez anos, mas só agora lançam CD

Em que vocês são diferentes?
Kleiton -
Sou emotivo, o Kledir é mais racional. Ele é mais calmo, sabe escutar.
Kledir - Somos de signos opostos. Sou de Aquário, o Kleiton é de Leão. Vivemos essa dualidade de maneira bem interessante. É tudo muito enriquecedor. Kleiton é o mais esquentado. Eu sou mais reflexivo, tento digerir o que não gosto.

Em que há identidade?
Kledir -
A formação musical e humana é parecida: estudamos na mesma escola. Temos a mesma turma de amigos. E temos paixão pela matemática, pelas ciências exatas. Nós dois cursamos engenharia.
Kleiton - A relação é longa. É como um casamento sem sexo. Encontrei um jeito de lidar com os defeitos do Kledir.

Foi por isso que houve a separação (a dupla se dissolveu em 1987 e se reuniu em 1996)?
Kledir -
A separação foi necessária. A gente precisou ficar um tempo separado para se dar conta de que, juntos, produzimos melhor.

E por que somente agora, mais de dez anos depois da volta da dupla, vocês lançaram um disco de inéditas?
Kledir -
Circustâncias mercadológicas, o showbiz está muito mudado.
Kleiton - Vontade nunca faltou. E eu sofria muito a cada ano. Foi doloroso esperar, mas, por outro lado, pudemos fazer uma supersseleção de repertório, pois já tínhamos cerca de 70 músicas inéditas. E encontrar o Paul Ralphes (produtor do disco) foi fundamental. Ele atualizou nosso som sem alterar a essência de nossa música. Não dava para a gente tentar fazer o som dessa rapaziada de 18, 19 anos... Cada artista tem que fazer o som de sua geração. Mauro Ferreira

Sonoras

Let It Roll, George Harrison

Editada com capricho, evidenciado na excelente remasterização e no encarte de 28 páginas, essa coletânea de George Harrison (1943 - 2001) mostra como a inspiração do artista sobreviveu ao fim dos Beatles. Feita por familiares e amigos, a seleção é expressiva e reafirma o mérito da discografia solo de Harrison através de hits como "My Sweet Lord" (1970).

Live from Madison Square Garden, Eric Clapton e Steve Winwood

Como atesta esta gravação ao vivo realizada em 2008 e editada em CD e DVD duplos, a química entre a guitarra de Clapton e os teclados de Winwood permanece a mesma, 40 anos depois de os músicos terem fundido rock e blues no efêmero grupo Blind Faith. Sem ranços saudosistas, os músicos rebobinam músicas do único disco da banda e fazem tributo a Jimi Hendrix. (M.F.)

Fotos DIVULGAÇÃO

Top 5 Bruna Caram

A jovem cantora, que recentemente lançou seu segundo álbum, Feriado Pessoal, conta quais os cantores da MPB que mais influenciaram sua carreira:

Elis Regina
Maria Bethânia
Tom Jobim
Chico Buarque
Lupicínio Rodrigues

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS