- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Todos os ângulos de Selton
Com três filmes em cartaz, Selton Mello fala que superou uma crise na profissão com análise, pensa em voltar à tevê depois de dez anos e não descarta a ideia de ser pai solteiro

Macedo Rodrigues

Seltom Mello na Picadilly Circus, em Londres, onde rodou Jean Charles

SELTON MELLO ESTÁ EM MAIS DE 350 SALAS de cinema no Brasil e nos últimos 30 dias foi visto por mais de dois milhões de pessoas. Esse é o resultado da coincidência de estar em cartaz simultaneamente em três filmes bem distintos: A Mulher Invisível, Jean Charles e A Erva do Rato. Aos 36 anos, ele põe à prova sua versatilidade como ator mas não acredita que seu talento flerta com a unanimidade nacional.

"Tem gente que te acha uma farsa e que você não deveria sequer se levantar da cama para fazer as coisas", diz. Os filmes também fortalecem a constatação de que Selton é atualmente o ator brasileiro mais identificado com a sétima arte, já que passou os últimos dez anos longe das novelas por se sentir um "burocrata da televisão". Mas ele é surpreendente e diz agora que pode voltar às tramas até o fim do ano e começar a se sentir um "burocrata do cinema".

O que não muda mesmo é discrição com que conduz sua vida afetiva: "Tenho muito mais relacionamentos do que o mundo imagina", admite, acrescentando que não tem a menor vontade de casar ou morar junto e que vê com simpatia a ideia de se tornar pai solteiro.

O que significa ter três filmes em cartaz?
Pois é, que 'troço' louco. Na realidade, isso não me agrada em nada. É muita exposição, uma coisa da qual eu sempre procuro fugir. Mas isso está fora do meu alcance e foi uma coisa das distribuidoras, que acharam que era um bom momento. Preferia que fossem exibidos um de cada vez, mas tem um lado bom, de traçar um panorama das minhas escolhas: uma comédia mais comercial, que busca um público grande, que é A Mulher Invisível; um drama baseado em uma história real, com uma pegada de documentário, o Jean Charles; e por fim, um filme de autor, A Erva do Rato. Isso espelha bem como procuro me movimentar, fazendo coisas comerciais e autorais.

O ator conta que atravessava uma crise com a profissão na época em que filmou na capital inglesa
PÁGINAS :: 1 | 2 | Próxima >>


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS