- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Garapa
Imagens impressionam, mas o olhar de José Padilha sobre a miséria carece de conteúdo

Dá nó na garganta ver crianças alimentadas à base de água com açúcar, a Garapa do título do novo documentário de José Padilha. É chocante a absoluta miséria em que vivem as três famílias do Ceará, cuja rotina o diretor de Tropa de Elite e Ônibus 174 registra em granuladas imagens em preto e branco. Inevitável tachar esse visual de "estética da pobreza", embora seja louvável a ideia de abordar o drama da fome a partir da uma perspectiva microscópica. O cineasta se apoia em dados estatísticos para ilustrar a gravidade da situação no Brasil e no mundo, mas seu filme não vai além do retrato da calamidade.

Padilha perdeu uma oportunidade. Apresenta uma realidade lastimável, porém não se dispõe a discutir suas razões, traçar seu histórico ou mostrar o que tem sido feito (ou se pode fazer) para combatê-la. O desemprego castiga os homens, enquanto as mulheres largam as crianças em meio à imundície. A miséria é exposta no vácuo, fora de contexto. Garapa comove, mas sua narrativa anda em círculos e não chega a lugar algum. (10 anos) Suzana Uchôa Itiberê

Divulgação

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS