- Anuncie
- Assine

 
 
 
Celebridade // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Elias Gleizer
DARIO DE FREITAS/ AG. ISTOÉ
Em 1983, o ator estava na peça Chiquinha Gonzaga, Ó Abre Alas. Atualmente, ele é Cadore na novela Caminho das Índias
DIVULGAÇÃO/TV GLOBO

Não importa a ordenação, se padre ou frei. Há sempre nesses personagens, quando interpretados por Elias Gleizer, uma característica comum: a de serem doces e bem-humorados. Com muitos papéis como esses na carreira, ele começou na tevê, curiosamente, em uma história bíblica, o teleteatro José do Egito (1959), na Tupi, emissora em que fez outras 19 novelas.

Mas há bem mais que religiosos e vovôs simpáticos nos seus 50 anos de carreira. Em Fera Radical (1988), na Globo, foi Donato, empresário suspeito de ter matado a família da protagonista (Malu Mader). Com a média de uma novela por ano, Gleizer faz teatro esporadicamente, como em A Falecida (1979) e Chiquinha Gonzaga, Ó Abre Alas (1983). Em 1998, participou da minissérie da Globo também contando a vida da compositora carioca.

O trabalho atual é em Caminho das Índias como Cadore, que sofre ao mediar as brigas dos filhos sem perder o jeito bonachão. Em abril, ganhou um prêmio informal que mostra que não apenas seus personagens são bem-humorados, mas também o próprio ator, que apareceu sorridente ostentando a faixa de "bofe do mês", dada pelos colegas de elenco.

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS