- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Star Trek - O Futuro Começa
Efeitos são de primeira, mas elenco afinado e trama criativa se destacam na reinvenção do clássico

A 11ª aventura da tripulação da USS Enterprise é dirigida por J.J. Abrams, de Lost

OS FÃS DE STAR TREK são tão fanáticos quanto os aficionados por Star Wars, do tipo que incorporam personagens preferidos em convenções lotadas de apaixonados pela série criada por Gene Roddenberry nos anos 60. Não faltou protesto, portanto, quando anunciaram que J.J. Abrams, diretor de Missão Impossível 3 e um dos mentores da série Lost, comandaria a 11ª aventura da tripulação da USS Enterprise nos cinemas. Abrams pode não ser um trekker, mas cercou-se de dois roteiristas nerds no assunto, que rechearam o enredo com tiradas bem-humoradas que fazem sentido tanto para seguidores fiéis quanto para não iniciados na saga intergaláctica. A reverência ao original é tão marcante que o eterno Spock, Leonard Nimoy, surge como figura fundamental à trama. O que se vê na tela é a apoteose da franquia.

A história é o que se chama de prequel - sequência às avessas - e volta às origens de personagens icônicos como o capitão James T. Kirk, Spock e outros membros da equipe espacial, como Uhura, Sulu e Chekov. Eles são jovens e não têm consciência de que desbravarão o espaço. Kirk (Chris Pine) é o típico rebelde, mulherengo, líder nato e sem rumo, que bate de frente com o metódico Spock (Zachary Quinto), nascido no planeta Vulcano e excluído por ser metade humano, mas um aluno engenhoso e primeiro de sua raça a ingressar na Frota Estelar.

O confronto entre os dois cadetes dá o tom da narrativa, que tem cenas de ação vertiginosas durante os ataques do vilão Nero (Eric Bana), um extraterrestre mais melancólico que assustador. Uma dobra no tempo promove um encontro emocionante entre a versão jovem e velha de Spock, e a existência da realidade paralela permite a Abrams brincar com a ordem dos fatos sem comprometer a essência original. O clássico ganha frescor e atualidade. A continuação é inevitável. (12 anos) Suzana Uchôa Itiberê

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS