- Anuncie
- Assine

 
 
 
Paulo Borges // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Mapa da mina
Jovens estilistas capitaneiam região elevada do bairro dos Jardins, em São Paulo, em busca de exclusividade; confira entrevistas com Fábia Bercsek, Marcelo Sommer e David Pollak

MARCELO SOMMER
ESTILISTA E PROPRIETÁRIO DA GRIFE DO ESTILISTA

Fotos: CLEYBY TREVISNA/AG.ISTOÉ

Qual é a sua maior paixão?
A minha paixão é o meu trabalho, é o que eu escolhi para fazer, é a minha marca, que me faz levantar da cama todos os dias.

O que você faz para tirar os problemas da cabeça?
Vou à ginástica, saio com os amigos e viajo de vez em quando. Também assisto tevê: tem tantos problemas piores no mundo, que eu esqueço dos meus.

Qual foi a coisa mais inesperada que aconteceu num desfile?
Aconteceram duas coisas: o desfile do escorregador (verão 2004), em que erramos no ângulo e acabamos criando um escorregador assassino! Você deve se lembrar disso! No final, tivemos que mandar somente os meninos descer. As modelos mais guerreiras, como a Raquel Zimmermann, conseguiram descer, e o desfile ficou lindo. Teve também o desfile futurista (verão 2005), que tinha um vulcão do qual emergia um globo de espelhos envolto por uma fumaça de gelo seco. Acontece que o gelo congelou o espelho, espirrou água em todo mundo, a fumaça teve um efeito visual horrível, deu tudo errado. Também já roubaram carro com roupas uma semana antes do desfile, foi péssimo.

Conte um segredo para mim.
Hmmm, o que eu quero contar é segredo!

O que se passava pela sua cabeça há dez anos?
Passei por muitas coisas inesperadas nos últimos dez anos. Teve um grupo que comprou a minha grife [Sommer], tive pouco tempo pra pensar e achei que era melhor vender. É muito complicado planejar as coisas no Brasil, onde a economia sofre muitos altos e baixos. Eu sempre penso que se a marca ou eu fôssemos internacionais, tudo seria muito diferente. Mas hoje eu sei melhor o que eu quero pra minha vida como um todo. Pretendo trabalhar por pelo menos mais uns vinte anos.

Fotos: CLEYBY TREVISNA/AG.ISTOÉ

Por que você escolheu essa região dos Jardins?
Essa não é a primeira loja que eu tenho nos Jardins, mas aqui foi um ponto que apareceu por intermédio da Ana Strumpf, uma amiga. Resolvemos, entre amigos, alugar os espaços. Então convidei o Davi e a Fábia. Estamos trabalhando ainda nesse ponto, que não tem o mesmo fluxo do baixo Jardins, ao mesmo tempo em que temos a exclusividade.

Qual o perfil do seu cliente?
Acredito que os clientes me acompanham desde o começo. Esse público é informado, é jovem de espírito, sem uma idade determinada, vendo roupas até para a minha mãe, somos muito democráticos. Mas trata-se de um público informado e interessado em moda.

Algumas palavras que resumem a sua próxima coleção.
Branco.

 

PÁGINAS :: << Anterior | 1 | 2 | 3


Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS