- Anuncie
- Assine

 
 
 
Televisão // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


"Sou para casar"
Vencedor do Big Brother Brasil 9,o artista plástico Maximiliano Porto, 30 anos, diz que está preparado para conviver com a fama repentina e que é sério seu relacionamento com a colega de confinamento, Francine Piaia

TEXTO TATIANA FERREIRA FOTOS DANIELA DARCOSO/AG. ISTOÉ

Com o prêmio de R$ 1 milhão, o vencedor do BBB 9 pretende viver de renda, mas não quer abandonar sua arte

Assim que chegou ao BBB, o carioca Maximiliano Porto mostrou que não entrara no jogo para brincar. Com declarações polêmicas, o artista plástico chegou a ser apontado por Boninho, diretor do programa, como o vilão da nona edição. Competitivo e durão, ele conquistou o público e abocanhou o prêmio de R$ 1 milhão. "Autoestima, na nossa cultura, é uma coisa que as pessoas não conseguem entender muito bem", defende ele, que foi taxado de prepotente e arrogante. Um dia após ter deixado o programa, Max falou de seus planos, da vitória e sobre as especulações sobre sua sexualidade.

A que você atribui a vitória?

Sinceramente, acho que o povo me escolheu por causa da minha conduta e postura dentro da casa. Ao sair, percebi que as pessoas me viram de uma outra forma. Os adolescentes até me compararam com o Rafinha, por causa das tatuagens. Fiquei muito surpreso com isso. Achei que seria reconhecido pela minha forma de jogar, lutar com força, garra e sendo competitivo. E o ditado que diz que "em fundo de poço cabeça de amigo é escada", isso para mim não existe!

Boninho chegou a apontá-lo como o vilão da nona edição...

Durante o processo seletivo fiz algumas declarações polêmicas. E autoestima, na nossa cultura, é uma coisa que as pessoas não conseguem entender muito bem. Você é taxado de metido, arrogante e soberbo enquanto, na verdade, você só está se valorizando, dizendo: olha só gente, eu estudei, me dedico, sou um bom profissional. Se eu digo que as minhas esculturas são legais, vão me achar metido, qual o problema de eu gostar do meu trabalho?

Você diz não ter nascido para ser mais um e que modéstia não existe no seu vocabulário...

Não é pecado se valorizar. Na infância sempre fui muito diferentão, vivia um mundo à parte (risos). Espero que eu seja um exemplo para as pessoas vencerem seus entraves pessoais.

A sua amizade com o Flávio foi questionada e surgiram algumas especulações em torno da sexualidade de vocês...

A vida inteira passei por isso, porque tenho um visual diferente. Sempre disseram: esse cara se veste esquisito, tem um topete estranho... quando se foge um pouco do padrão, as pessoas tendem a maliciar. Não teria uma relação homossexual, sou muito bem-resolvido Mas se tivesse tendência, não teria problemas em me assumir. Eu tenho vários amigos gays, que eu adoro e nunca fui homofóbico.

O namoro com a Francine é sério?

Estamos apaixonados e, desde que saímos da casa, não nos desgrudamos. O fato de ter um milhão não muda nada. Eu sou bem-resolvido com dinheiro também. Eu nunca fui deslumbrado, coisas efêmeras nunca mexeram com a minha cabeça.

Pretende se casar?

Estou tentando casar há dez anos (risos), é um sonho que tenho. Eu sou para casar, fui criado para isso. Convivi a vida inteira entre mulheres. Minha mãe, pela relação conturbada com meu pai, me criou para ser um bom namorado, que respeitasse as mulheres. Me ensinou a levantar a tampa da privada antes de fazer xixi. Quero casar e ter filhos, sim! Óbvio que também tenho toda aquela questão de prudência, de ir com calma, um passo de cada vez. Se tiver que ser, vai ser!

"Estamos apaixonados e, desde que saímos da casa, não nos desgrudamos", diz Max sobre a namorada, Francine

O que pretende fazer com o dinheiro?

Vou aplicar essa grana e se puder viver de renda, é isso que vou fazer. Não vou deixar de trabalhar porque é isso que eu amo fazer, mas saber que no fim do mês vai ter um garantido ali, que vai me dar um conforto para me permitir criar com mais liberdade, isso é legal. Também pretendo terminar a casa da minha família, em Maricá, e vou me permitir estudar um pouco. Tenho alguns projetos de expor meu trabalho, abrir um estúdio de tatuagens e de animação 3D. Vamos ver...

Está preparado para conviver com a fama repentina?

Sim! Quando eu me inscrevi no programa, já estava preparado para tudo isso. Estou curtindo e sei que vai ter um momento em que vai começar a ficar um pouco chato, mas também tenho a consciência de que não vai ser para sempre. Esta fama de Big Brother não dura muito. Eu vou curtir o máximo que puder e seguir a minha vida.

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS