- Anuncie
- Assine

 
 
 
Cinema // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


''Vera é a maior força da minha vida''
Prestes a completar 60 anos e casado há 35, José Mayer credita à mulher seu equilíbrio e tranquilidade

TEXTO AINA PINTO

FOTO SAMIR BAPTISTA/AG.ISTOÉ
"Pareço ter sido talhado no cinzel. A minha expressão é marcada", diz José Mayer

"Eu sabia que o olhar dele me ajudaria em cena", diz Lilia Cabral, na entrevista de lançamento de Divã. "O Gustavo tinha de ser alguém por quem a gente sofresse ao se separar", completa a produtora-executiva do filme, Iafa Britz. O homem em questão é José Mayer, e Gustavo, o personagem dele no longa-metragem. Lilia interpreta Mercedes, que põe fim ao casamento que ela acreditava ser perfeito com Gustavo após começar sessões de psicanálise. "O personagem tem afinidade com o meu perfil. Não que eu tenha perdido um casamento. Eu consigo reformar o meu. Mas gosto dessa alma cordial que ele tem", diz o ator, casado com a atriz Vera Fajardo. "O que me seduziu nele foi a capacidade de lidar com a mudança de uma maneira civilizada e sensível. Mudar é muito bom, e digo isso do alto dos meus 35 anos de casamento. Acho que se reinventar é uma obrigação."

Ele diz isso tudo também do alto de sua calma. Fala devagar, como quem pensa exatamente no que vai dizer. Nunca fez análise porque acredita que a vida já fornece pistas de como enfrentar os problemas. "Claro que nunca existi sozinho, sem a mulher presente. Quando eu quis ver algo com o meu olhar masculino, tive a sacudidela do olhar feminino. Vera tem sido a força mais importante na minha vida", diz ele, que acha curiosa a imagem de galã. Atribui isso à profissão. "Tem a ver com a capacidade de domínio de cena. Só pode ser. E, talvez, a uma certa aura de masculinidade, porque não sou um homem bonito. Ao contrário, pareço ter sido talhado no cinzel. Minha expressão é marcada, as rugas são profundas."

Ele também não descarta a contribuição que seus personagens na tevê deram à imagem de sedutor. "Fui encontrando meu nicho, minha prateleira. Quando caí ali, a tevê fez o que sempre faz: nomeia, rotula." Mayer vai voltar às novelas em Viver a Vida, de Manoel Carlos. "Vou voltar para a velha prateleira", brinca. "O Maneco gosta do meu trabalho. Vou fazer essa novela com ele não como o garotão gostosão, mas como um homem de meia-idade que se apaixona por uma mulher mais jovem (Taís Araújo). É uma situação perfeitamente possível. Estou assumindo minha própria idade nessa função", diz ele, prestes a completar 60 anos.

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS