- Anuncie
- Assine

 
 
 
Música // Home
 
- Edição Atual
- Anteriores
 
- Imagens
- Frases
- Urgente
- Moda
- Estilo
- Fernanda Barbosa
- Paulo Borges
- Agito
- Aconteceu
- Celebridade
- Reportagens
 
- Cinema
- Música
- Livros
- Teatro
- Gastronomia
- Televisão
 

Atualize-se com a
IstoÉ Gente!




- Fale Conosco
- Expediente
- Anuncie
- Assine
- Loja 3
 

 


Motown 50
Coletânea celebra o meio século da gravadora que revelou Michael Jackson, Stevie Wonder, Diana Ross e Marvin Gaye

O álbum triplo traz canções do trio The Supremes

DUAS IMPORTANTES MARCAS da indústria fonográfica dos EUA fazem aniversário em 2009. Enquanto o selo de jazz Blue Note celebra 70 anos, a gravadora Motown festeja meio século. Vários discos serão lançados para comemorar a data. O primeiro a chegar ao Brasil é a coletânea tripla Motown 50, que reúne 50 gravações históricas da companhia selecionadas para a compilação pelo público através de votação na internet.

Fundada por Berry Gordy Jr. em 14 de dezembro de 1959, na cidade de Detroit (Michigan), a Motown foi o berço do soul e do r&b dos anos 60 - década em que revelou artistas como Michael Jackson (então um garoto, integrante do grupo Jackson 5), Stevie Wonder, Marvin Gaye (1939 - 1984) e Diana Ross (lançada no trio The Supremes). Suas gravações tinham uma levada característica, logo identificada como o "som da Motown". Essa batida é recorrente na compilação, cujas 50 faixas estão dispostas na ordem em que foram votadas. A campeã de votos, "I Want You Back" (Jackson 5), abre o primeiro disco. A seleção dá natural ênfase ao período áureo da companhia (1961-1972). A Motown começou a decair ao longo dos anos 70 até ser vendida em 1988. Mas sua marca continua no mercado como um dos maiores símbolos da música negra produzida no século 20. Mauro Ferreira

Sonoras

O Canto da Cigarra nos Anos 70, Simone

A caixa reedita 11 discos lançados por Simone entre 1973 e 1980, incluindo título inédito no mercado nacional, Festa Brasil, gravado em 1974 para os EUA. A coleção enfoca o auge da cantora tanto pelo alcance da voz como pelo rigor estilístico do repertório. O melhor disco, Pedaços (1979), é exemplo de como Simone sabia combinar doses de política e sensualidade em seus álbuns.

 

Take my Breath Away, Gui Boratto

Em seu segundo álbum, o DJ e produtor brasileiro mostra que um disco de música eletrônica pode fugir do trivial bate-estaca do gênero e ser melódico sem deixar de ter apelo para as pistas. Transitando entre o minimal e o deep techno, estilos mais desacelerados, Boratto reedita o acerto do anterior Chromophobia (2007). A faixa-título, "No Turning Back" e "Colours" são destaques.

 

Perfect Symmetry, Keane

Como mostrou em recente turnê pelo Brasil, o grupo britânico faz um rock cada vez mais pop. A guinada que fez com o que Keane deixasse de ser visto como um subColdplay veio com seu terceiro álbum, Perfect Symmetry (2008), que volta em DVD duplo. O atrativo é o vídeo no qual o Keane comenta as faixas do disco e apresenta versões-demos das 11 músicas entre imagens de bastidores da gravação. (M.F.)

 

 

MARCIO DEL NERO/ DIVULGAÇÃO

Top 5 Carol Trentini

A modelo conta quais são suas cinco músicas preferidas:

"Piano Bar" (Engenheiros do Hawai)

"Picture of Jesus" (Ben Harper)

"Hey Jude" (Beatles)

"Faroeste Caboclo" (Legião Urbana)

"Hoje a Noite Não Tem Luar" (Legião Urbana)

 

 



Copyright © 2009 - Editora Três Ltda. - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução total ou parcial deste website, em qualquer meio de comunicação, sem prévia autorização.
ContentStuff Media Solutions | Gestão de Conteúdo | CMS